21/4/17 9:15
Atualizado em 26/4/17 às 16:39

Plano Piloto de Brasília completa 30 anos como Patrimônio Cultural da Humanidade

No mesmo ano em que são comemoradas três décadas do recebimento do título da Unesco, completam-se 60 anos da escolha do projeto urbanístico de Lucio Costa para a construção da cidade

O aniversário de 57 anos de Brasília é nesta sexta-feira (21), mas duas outras comemorações marcam 2017: os 60 anos da escolha do projeto de Lucio Costa para a nova capital federal e os 30 anos do reconhecimento do Plano Piloto de Brasília como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Cruzamento dos Eixos Monumental e Rodoviário no início das obras da construção de Brasília.
Cruzamento dos Eixos Monumental e Rodoviário no início das obras de construção de Brasília. Foto: Mário Fontenelle/Arquivo Público do Distrito Federal – 1956/1957

A cidade, que foi a primeira obra do século 20 a ser tombada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), é dividida em quatro escalas de concepção urbana:

  • Monumental: fica ao longo do Eixo Monumental, da Praça dos Três Poderes à Praça do Buriti, com a concentração das principais atividades administrativas locais e federais.
  • Residencial: ao longo do Eixo Rodoviário (ou Eixão), com as superquadras, consideradas à época uma nova forma de morar, próximo a uma via.
  • Gregária: o ponto de encontro e de convivência do Plano Piloto, no centro da cidade. É onde ficam a Rodoviária do Plano Piloto, os Setores Bancário, Comercial, de Diversões, Hoteleiro e de Rádio e TV.
  • Bucólica: espalhada pelos espaços livres e arborizados, que dão a Brasília a característica de cidade-parque. No plano original, o principal local dessa escala é a orla do Lago Paranoá.

Em entrevista coletiva nessa quinta-feira (20) para destacar ações na área de cultura, o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, citou a construção da cidade como “a maior demonstração da capacidade de realização do povo brasileiro”.

Reunindo os principais órgãos administrativos federais e locais, o Eixo Monumental é a representação da escala Monumental do Plano Piloto Piloto de Brasília.
O Eixo Monumental é a representação da escala Monumental do Plano Piloto de Brasília e reúne os principais órgãos administrativos federal e local. Foto: Mary Leal/Agência Brasília – 6.3.2015

Ações do governo de Brasília para cuidar do patrimônio

De acordo com o subsecretário do Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura, Gustavo Pacheco, o cuidado patrimonial leva em conta o passado e o futuro. “Temos que olhar para trás e manter o que herdamos e enxergar lá na frente, com projetos que mantenham a cidade como algo da população.”

Como exemplo, Pacheco cita o plano Orla Livre. O projeto do governo de Brasília de devolução da orla do Lago Paranoá para o público segue o planejamento de Lucio Costa, de manter o livre acesso ao local.

Na orla do Lago Paranoá e nos parque de Brasília, a escala Bucólica, característica da cidade-parque.
Na orla do Lago Paranoá e nos parques de Brasília, a escala Bucólica, característica da cidade-parque. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília – 26.12.2016

Outra ação desta gestão ressaltada pelo subsecretário do Patrimônio Cultural é a revitalização do Setor Comercial Sul pela ocupação de espaços. A escala gregária do projeto indica aquele lugar como um dos pontos de convivência da cidade.

Programação para celebrar a data

Ainda neste ano, a Secretaria de Cultura planeja retomar o prêmio José Aparecido Oliveira, para ações de preservação e valorização do patrimônio.

O nome da premiação homenageia o governador do Distrito Federal de 9 de maio de 1985 a 19 de setembro de 1988, período em que Brasília virou patrimônio da humanidade.

Em dezembro, ocorrem as Jornadas de Patrimônio, organizadas em conjunto pelo governo de Brasília e a Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no DF (Iphan-DF). Mesas redondas e espetáculos musicais estão entre as atrações previstas para o mês em que se completam 30 anos do título.

O governo de Brasília ainda vai investir mais de R$ 7 milhões em quatro anos com educação patrimonial. Em março, foi fechado acordo de cooperação entre a Secretaria de Cultura, a Unesco e a Agência Brasileira de Cooperação, do Ministério das Relações Exteriores, para trazer consultorias especializadas ao DF.

Brasília tem 27 bens tombados individualmente

Em 1990, três anos após o recebimento do título pela Unesco, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tombou o Plano Piloto de Brasília. A preservação, porém, não se limitou ao projeto de Lucio Costa.

Brasília tem 27 bens tombados individualmente pelo Iphan. Entre os mais representativos estão o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal. Ainda do governo federal, há os Palácios da Alvorada, do Jaburu, da Justiça e do Itamaraty e seus anexos.

Os tombamentos, no entanto, não se limitam a prédios da administração pública federal. A reportagem visitou dois locais que preservam a memória do presidente da República responsável pela construção de Brasília, Juscelino Kubitschek.

 

São eles o Memorial JK, no Eixo Monumental, museu projetado por Oscar Niemeyer para retratar as vidas pública e privada do político, e o Catetinho, primeira residência estabelecida por Juscelino Kubitschek em Brasília. O projeto também é de Niemeyer.

A influência de Oscar Niemeyer se estende também à religião. São projetos dele a Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, sede da Arquidiocese de Brasília, e a Igrejinha Nossa Senhora de Fátima, na 308 Sul, primeiro templo em alvenaria a ser erguido na capital.

Há ainda o Memorial dos Povos Indígenas, no Eixo Monumental. Trata-se de outro projeto de Oscar Niemeyer, feito para valorizar a cultura indígena do País.

Edição: Paula Oliveira