31/10/11 3:00
Atualizado em 31/10/11 às 3:00

Novas regras no combate à aftosa

Bovinos e bubalinos com até 24 meses serão imunizados semestralmente, enquanto animais a partir dessa idade serão vacinados anualmente

Suzano Almeida, da Agência Brasília, com informações da Seapa

 

A Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seapa) anunciou novas regras para a segunda etapa da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa. A imunização dos bovinos e bubalinos (búfalos) passa a ser divididas em duas etapas: em maio, serão vacinados todos os animais e, em novembro, apenas os animais com até 24 meses de idade.
 

Segundo o subsecretário de Defesa e Vigilância Agropecuária da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Sebastião Márcio Lopes de Andrade, os animais que possuem mais de dois anos já passaram por diversas campanhas, tendo mais imunidade e dispensando o maior número de vacinações. Quanto aos mais novos, é necessário que sejam imunizados com maior frequência.
 

A campanha já foi realizada em maio deste ano, por isso, na etapa de novembro, que vai de 1º (amanhã) a 30 de novembro, apenas os animais com até 24 meses passarão pela vacinação contra a febre aftosa. De acordo com a Secretaria de Agricultura, estudos científicos apontam que, a partir de 24 meses de idade, o animal que tiver recebido pelo menos três doses da vacina oleosa adquire níveis satisfatórios de imunidade por um período maior.
 

Segundo a Seapa, o índice de animais imunizados nas 2.840 propriedades fiscalizadas pela secretaria é superior a 94% Os resultados fazem parte do Programa de Erradicação da Febre Aftosa. “É importante mantermos os índices de imunização acima de 90% nos rebanhos do DF. Pois, mesmo que haja algum foco de febre aftosa, o que não está ocorrendo no Distrito Federal, a introdução da doença nos rebanhos não se propagará”, explica o subsecretário de Defesa e Vigilância Agropecuária.
 

Com a adoção das novas regras, os produtores reduzirão custos de manejo e vacinação dos animais e poderão utilizar esses recursos em outras atividades da produção.
 

Mais informações na Defesa Agropecuária: 3340-3862