17/10/12 16:05
Atualizado em 17/5/16 às 14:12

SIA é destaque econômico do DF

Na série de entrevistas semanais com administradores, Adauto Rodrigues afirma à AGÊNCIA BRASÍLIA que a região recebe incentivos para ampliar seu desenvolvimento


. Foto: Lula Lopes

 No cargo desde 5 de dezembro de 2011, o administrador do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), Adauto Rodrigues, conta que o SIA contribui com grande parte da arrecadação de impostos do DF e, além disso, gera quase 100 mil empregos. O setor recebe fortes investimentos por meio do Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo do DF (Pró-DF) para avançar ainda mais.

Como o SIA contribui com a geração de renda e emprego no Distrito Federal?

O SIA é área econômica mais representativa do Distrito Federal. Ele responde por 56% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) do Distrito Federal. A região agrega desde o feirante e o pequeno e médio empresário até grandes empresas locais e nacionais. Juntos, esses empreendimentos geram cerca de 90 mil empregos na região administrativa, que chega a receber por volta de 300 mil pessoas por dia. 

Quantas indústrias e empresas estão instaladas na região?

Temos 23 fábricas e 5 mil empresas, além de 2,5 mil estabelecimentos comerciais. Do total de empreendimentos, as lojas representam 69%; os escritórios, 15%; os depósitos, 4%; e as oficinas, 2,8 %. Desse quantitativo, também temos 268 filiais de outros estados no SIA, sendo 17% de São Paulo, 12% de Goiás e 6% de Minas Gerais.

Como estão as ações para alavancar o desenvolvimento dessas empresas na região?

Podemos destacar a criação do Trecho XVII, por meio do Programa de Apoio ao Empreendimento Produtivo do DF (Pró-DF). O Pró-DF é o incentivo oferecido pelo governador Agnelo Queiroz para a empresa que se estabelece  no SIA. Foi determinada por ele a eliminação de entraves burocráticos, que podem ser resolvidos já com as empresas funcionando e gerando emprego e renda para a economia do Distrito Federal. Isso auxilia na criação de novos empregos. No trecho, são 145 unidades imobiliárias com área média de 1.750 m² cada, o que totaliza 255 mil m². Mais de 47 empresas já possuem alvarás de funcionamento emitidos pela administração. No local, é permitido funcionamento de comércio atacadista e varejista, prestação de serviços, indústrias, garagens, depósitos, postos de gasolina e outras atividades.

Como é administrado o processo de regularização das empresas?

Para que o setor produtivo do SIA trabalhe com segurança jurídica e, ainda, para manter a região como o importante polo de desenvolvimento econômico do DF, a administração emite alvarás de construção, cartas de Habite-se e licenças de funcionamento de atividades econômicas.

Há cuidados para retirar o lixo produzido pelas empresas e fábricas?

Para manter a cidade limpa, são feitos regularmente os trabalhos de roçagem e capina. Além disso, o entulho é recolhido todos os dias. Quando o serviço começou, chegávamos a recolher 500 toneladas por semana, porque já havia muito lixo acumulado. Hoje, são cerca de 200.

Quais são as medidas para melhorar a infraestrutura da cidade? 

Está em andamento a implantação de abrigos e de linhas de ônibus para atender os trabalhadores e empresários do SIA. Foram investidos R$ 3,2 milhões em obras de drenagem de águas pluviais para reduzir os alagamentos. Também está sendo construído um novo estacionamento no Setor de Inflamáveis e outro para carretas no Setor de Transportes Rodoviários e Cargas (STRC). O governador Agnelo Queiroz inaugurou recentemente uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Além disso, houve melhoria no sistema viário e na iluminação para garantir  segurança e conforto aos transeuntes. O projeto e a construção de uma rota de fuga no Setor de Inflamáveis também serão providenciados. O setor é uma área de risco, pois armazena grande quantidade de combustível para o abastecimento do Distrito Federal e das regiões circunvizinhas.