7/3/13 13:12
Atualizado em 17/5/16 às 14:04

Sustentabilidade no Park Way

Na série semanal de entrevistas com administradores regionais, José Benevenuto Estrela fala à AGÊNCIA BRASÍLIA sobre as ações da administração do Park Way para preservar o meio ambiente, desenvolver os núcleos rurais e melhorar a qualidade de vida dos moradores


. Foto: Brito

O administrador regional do Park Way, José Benevenuto Estrela, explica as medidas adotadas para manter em bom estado as áreas verdes da região administrativa, que faz 52 anos no próximo dia 13. Empossado em 1ª de janeiro de 2011, ele conta que os pequenos produtores de hortifrutigranjeiros são orientados a plantar sem agredir o meio ambiente. Já os moradores da área urbana são incentivados a manter a cidade limpa e arborizada. A melhoria da infraestrutura também está incluída entre as atividades desenvolvidas para aumentar a qualidade de vida da comunidade.
 

O Park Way é conhecido por possuir grande área verde. Quais são as ações para incentivar a preservação ambiental na cidade?

Nos últimos dois anos, plantamos 3,5 mil mudas de árvores em toda a cidade. Além disso, a administração regional foi reestruturada com a criação da Diretoria de Desenvolvimento Econômico e Ambiental, que promove ações socioeducativas para conscientizar a população sobre a importância de conservar as áreas verdes. A comunidade recebe orientações sobre como utilizar os espaços ecológicos, manter a cidade limpa, e como auxiliar na recuperação de regiões degradadas. Nas escolas públicas – com apoio do Corpo de Bombeiros Militar e do Ibram [Instituto Brasília Ambiental] – as crianças também participam do projeto Fogo apagou?, que trata de temas sobre a preservação ambiental. A nova diretoria também orienta os moradores dos núcleos rurais sobre como evitar focos de incêndio com queimadas e como plantar sem afetar o meio ambiente.
 

Há outras ações sustentáveis?
 

Em uma área verde degradada, localizada na Quadra 14, funciona a Feira de Talentos. Ela ocorre às quintas e sextas-feiras, das 18h às 22h, com apresentações artísticas, artesanato e gastronomia. Nesse local, nós reforçamos a iluminação e construímos 1,5km de ciclovia, com autorização ambiental emitida pelo Ibram. Agora estamos trabalhando para revitalizar a feira e criar um parque ecológico no local, com bebedouros, banheiros e plantio de árvores. Esse projeto, de aproximadamente R$ 500 mil, será licitado até abril.
 

Houve mudança no comportamento dos moradores no que diz respeito à preservação ambiental?
 

A adesão da população à ideia dos cuidados com o meio ambiente foi tão grande que, em 2012, registramos o menor número de focos de incêndio dos últimos três anos. Além disso, as crianças transmitem aos pais o conhecimento adquirido na escola sobre a preservação das áreas verdes, o que faz a comunidade se preocupar com a limpeza da cidade.
 

Como o governo incentiva o desenvolvimento dos núcleos rurais do Park Way?
 

Na área rural Vargem Bonita há uma grande produção de hortifrutigranjeiros. Lá, os agricultores cultivam alface, couve, cenoura, batata, mandioca, entre outros plantios. Nos núcleos Ipê Coqueiros e Córrego da Onça também temos a produção de hortaliças, mas em menor escala. Para auxiliar o desenvolvimento desse segmento, a Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural) e a Secretaria de Estado de Agricultura promovem capacitações sobre técnicas de plantio, preservação ambiental e escoamento da produção.
 

Como é a relação da administração com a comunidade?
 

Nós criamos o projeto Park Way, a cidade que amo e cuido. A administração regional visita setores e condomínios para apresentar propostas de infraestrutura e para coletar as sugestões da população. Todas as demandas são catalogadas e, dependendo do caso, resolvidas imediatamente. As demais solicitações são encaminhadas para o órgão responsável. Desde o início desse trabalho, já conversamos com mais de 300 síndicos, que representam os moradores dos condomínios, além da comunidade em geral. Com isso, conseguimos resolver diversos problemas e fortalecer a relação entre governo e sociedade civil.
 

O que foi feito para melhorar a infraestrutura?
 

Criamos uma biblioteca pública em uma instalação desativada da Secretaria de Agricultura, em Vargem Bonita. O local atende a comunidade e os estudantes da região. Nesse núcleo rural, também asfaltamos quatro ruas e vamos inaugurar uma quadra poliesportiva até maio. Já na área urbana, na época da seca, a pressão da água nos canos é insuficiente para abastecer algumas casas. Por isso, a Companhia de Abastecimento de Brasília (Caeb) está providenciando a interligação de abastecimento de água nas quadras 15 a 16 e 22 a 25. A previsão é que o novo sistema entre em funcionamento até maio. Além disso, em parceria com o Detran (Departamento de Trânsito), foram instalados novos quebra-molas e a sinalização foi revitalizada. Também construímos 10 paradas de ônibus. Ao todo, entregaremos 40 abrigos de passageiros até o fim deste ano.
 

Há outras novidades para a cidade?
 

Realizamos um mapeamento para construção de calçadas em todo o Park Way. O documento já foi enviado à Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap). A previsão é que as obras comecem ainda neste primeiro semestre. Temos também o projeto de duplicação da Epia [Estrada Parque Indústria e Abastaecimento] Sul, no trecho entre o Guará e o Núcleo Bandeirante. Essa intervenção permitirá acesso da Quadra 1 à Quadra 3 do Park Way e melhorará o fluxo de trânsito na região. A obra, no valor de R$ 25 milhões, deve ser iniciada em 2014.