10/6/13 18:48
Atualizado em 10/6/13 às 18:48

Adolescente acusado de matar francês é apreendido

Menor alega motivo fútil para agressão e polícia ainda colhe depoimentos para esclarecer o caso

BRASÍLIA (10/6/13)- A Polícia Civil ainda espera ouvir outras testemunhas e colher mais provas sobre o assassinato do francês Herver Julien Sanchz, de 59 anos, na Vila Planalto, mesmo após um adolescente de 17 anos confessar o crime e se entregar no sábado (8).

 

“Temos apenas a palavra do menor, que diz ter revidado uma agressão, vamos tentar achar testemunhas que presenciaram o início da discussão para esclarecer o caso”, informou hoje a delegada da Criança e do Adolescente, Mônica Ferreira.

 

O acusado contou à polícia que estava em uma praça pública quando a vítima reclamou da música alta e por isso o atingiu com pauladas no tórax e nas costas, mas o menor alegou que fugiu e só descobriu que o francês havia morrido no dia seguinte.

 

A Delegacia da Criança e do Adolescente pediu a internação provisória do menor, que ficará 45 dias na Unidade de Internação do Plano Piloto (UIPP) -antigo Caje.

 

O próprio adolescente alegou motivo fútil para o crime e voltará a cumprir medida sócio-educativa, já que o menor já tem outra passagem pela polícia por ato infracional análogo ao roubo.

 

O corpo de Herver Julien Sanchz, que dava aula de francês na Câmara dos Deputados segundo informaram vizinhos à polícia, permanece no Instituto de Medicina Legal (IML) porque até agora não foram localizados parentes dele.

 

(H.O/J.S)