6/10/15 14:09
Atualizado em 6/10/15 às 14:09

Homicídios caem pelo nono mês consecutivo no DF

Em setembro, queda foi de 32,3% em relação ao mesmo período do ano passado. Gama é a região administrativa com a maior redução no número de assassinatos


O diretor-geral do Detran, Jayme Amorim de Sousa, o diretor-geral da Polícia Civil, Eric Seba, o secretário da Segurança Pública e da Paz Social, Arthur Trindade, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Florisvaldo Ferreira Cesar, e o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Hamilton Santos
O diretor-geral do Detran, Jayme Amorim de Sousa, o diretor-geral da Polícia Civil, Eric Seba, o secretário da Segurança Pública e da Paz Social, Arthur Trindade, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Florisvaldo Ferreira Cesar, e o comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Hamilton Santos. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Atualizado em 6 de outubro de 2015, às 13h42

A Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social apresentou, durante coletiva, na manhã desta terça-feira (6), um balanço de ocorrências relativas a setembro. A conclusão é que o número de homicídios no Distrito Federal caiu pelo nono mês consecutivo. Em setembro, houve queda de 32,3% em relação ao mesmo período de 2014. Se considerado o acumulado do ano, a diminuição foi de 15,9%, em comparação aos nove primeiros meses do ano passado.

Os dados ainda mostram que o Gama é a região administrativa com a maior redução no número de assassinatos. Foram 45 mortes contra 25, ou seja, 44% a menos, referentes aos nove meses do ano. São Sebastião (31 para 19 casos, o que representa diminuição de 39%) e Planaltina (53 para 38 casos, ou seja, 28% a menos) são as outras regiões com a maior redução desse tipo de crime.

“É uma queda relevante”, resumiu o secretário Arthur Trindade. “É o menor número de homicídios registrados em setembro desde 2006.” Foram 44 ocorrências dessa natureza em 2015, número mais baixo entre os meses de setembro desde 2006, quando houve 43 registros. As constantes quedas nas estatísticas se devem, segundo Trindade, aos trabalhos contínuos do programa Viva Brasília — Nosso Pacto pela Vida. “Vamos intensificar ainda mais as ações que têm dado resultado, como apreensão de armas de fogo e investigação de homicídio”, anunciou o secretário. Em setembro, foram apreendidas 238 armas de fogo e imitações. 

Outras ocorrências tiveram queda no acumulado de janeiro a setembro. Latrocínio, por exemplo, teve baixa de 8,6%: foram 35 casos em 2014, contra 32 em 2015. Roubo a pedestre (-7,2%), roubo de veículo (-36,8%), roubo em transporte coletivo (-10,7%), roubo em comércio (-37,2%) e furto no interior de veículos (-27,8%) também diminuíram.

“Nossa prioridade é quanto aos crimes violentos, e nesse caso os resultados são extremamente positivos”, disse o secretário. Ele ainda explicou que alguns dados tiveram efeito da greve da Polícia Civil, que deixou de fazer alguns registros entre 1° e 22 de setembro. “Em algumas naturezas criminais, nós percebemos uma subnotifição, principalmente quanto a furto em veículos e roubo de pedestres. Mas, apesar dessa greve, as nossas análises criminais continuam feitas com a mesma qualidade.”

Durante a coletiva, também foram informados números referentes ao trabalho do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran), da Defesa Civil, da Subsecretaria de Integração de Operações de Segurança Pública e do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF). Na ocasião, essa corporação apresentou o novo equipamento de proteção para o combate ao fogo. Foram adquiridos 2.600 uniformes feitos de material resistente a até 700°C. “A tecnologia é mais segura”, acrescenta o comandante-geral, Hamilton Santos.

O comandante-geral da Polícia Militar, Florisvaldo Ferreira Cesar, e os diretores-gerais da Polícia Civil, Eric Seba, e do Detran, Jayme Amorim de Sousa, também estiveram presentes na coletiva.

Veja a apresentação completa.

Veja a galeria de fotos: