15/12/15 18:56
Atualizado em 12/5/16 às 17:51

Propostas do DF de políticas públicas para juventude são levadas a encontro nacional

Dezenove delegados locais participam da conferência, que começa nesta quarta (16) no Mané Garrincha

O Distrito Federal levará 22 propostas de políticas públicas para serem debatidas durante a 3ª Conferência Nacional de Juventude, que reunirá mais de 2 mil pessoas do País inteiro no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. O evento começa na quarta-feira (16) e termina no sábado (19).

Elencadas por jovens de todas as regiões administrativas, as propostas foram definidas em cinco encontros regionais ao longo do ano e na Conferência Distrital de Juventude, em 17 de outubro. Nessa última, 200 delegados escolheram as 22 sugestões como as mais importantes para constar do Plano Distrital de Juventude e possivelmente da versão nacional do documento.

No evento desta semana, serão 19 delegados de Brasília (três do governo e 16 da sociedade civil) para defender as proposições pensadas aqui. O número é maior que o previsto anteriormente, de 16, para todas as unidades da Federação. Isso porque a seleção dos representantes precisa obedecer a questões de paridade e diversidade de gênero e etnia, além de idade — pelo menos 50% do grupo deve ser composto por pessoas de 15 a 29 anos.

Pedidos
Entre os assuntos que serão levados a debate a partir de amanhã, os jovens reivindicam a garantia de educação integral com acesso a esporte, cultura e lazer e a cursos preparatórios para estudantes do ensino médio. No âmbito da comunicação, eles querem internet gratuita de qualidade que assegure meios de informação a jovens das áreas rural e urbana. Ainda há pedidos de revisão do procedimento de abordagem social da Polícia Militar e de criação de políticas de prevenção e tratamento para usuários de drogas.

Há 11 eixos, com duas propostas cada. São eles: direito à educação; à profissionalização, ao trabalho e à renda; à saúde; ao desporto e ao lazer; à cultura; à comunicação e à liberdade de expressão; ao território e à mobilidade; à segurança pública e ao acesso à justiça; à sustentabilidade e ao meio ambiente; à cidadania, à participação social, à política e à representação juvenil; e à diversidade e à igualdade.

Comitê
No âmbito local, as 22 propostas servirão como base para o Plano Distrital de Juventude, o primeiro de Brasília. A discussão para a construção do documento teve início nesta terça-feira (15) pelo Comitê Intragovernamental Permanente de Acompanhamento e Articulação de Políticas para a Juventude. O grupo, previsto em lei desde 2013, foi criado apenas nesta gestão e é composto por todos os órgãos de governo envolvidos com o tema, além do Conselho de Juventude do DF, que representa a sociedade civil, e da Companhia de Planejamento (Codeplan).

Agora o comitê definirá o cronograma de trabalho, que incluirá visitas às regiões administrativas. “Nossa intenção é retomar os diálogos para terminar de construir o plano”, explica a subsecretária de Juventude da Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude, Aline Andrade. “Isso é a prova de que estamos cumprindo nosso papel e estabelecendo uma relação direta com os jovens.”

Quanto às principais propostas que darão base ao documento, a subsecretária destacou a reivindicação do passe livre irrestrito (atualmente, há um limite para o uso do benefício); a criação de um fórum de juventude que trate especificamente da diversidade e que tenha a participação ativa de membros do governo; e a ampliação dos centros de juventude. Hoje, existem dois centros no DF — um na Estrutural e outro em Ceilândia. As estruturas oferecem acompanhamento psicológico e acadêmico e oficinas.

Veja a programação da 3ª Conferência Nacional de Juventude.

Leia também:

Centro de Juventude de Ceilândia muda de endereço

Jovens definem propostas de políticas públicas

22 políticas públicas serão escolhidas na 3ª Conferência Distrital de Juventude