11/3/16 11:08
Atualizado em 12/5/16 às 17:51

Especialistas ajudarão a escolher novo diretor-presidente do zoo

Comitê vai examinar currículos dos candidatos e sugerir nomes para posterior decisão do governador. Portaria que institui seleção foi publicada hoje

Atualizado em 11 de março de 2016, às 8h43

Foi instituído nesta sexta-feira (11) o processo de recrutamento e seleção de candidatos para o cargo de diretor-presidente da Fundação Jardim Zoológico de Brasília. As regras estão na Portaria nº 17, de 10 de março de 2016, publicada no Diário Oficial do Distrito Federal.

O trabalho será conduzido por um comitê formado por cinco profissionais de competência e experiência comprovadas em áreas diretamente associadas à gestão pública e à conservação ambiental.

Até o dia 20 deste mês, o diretor-presidente interino do zoo, Rômulo Mello, deve propor os nomes dos integrantes do comitê e apresentar proposta detalhada de edital de seleção. A lista e o documento serão submetidos à aprovação do Conselho Deliberativo da Fundação Jardim Zoológico de Brasília.

O conselho deverá se manifestar em até dez dias e poderá sugerir aprimoramentos na proposta de edital ou indicar outros nomes para o comitê. As sugestões devem ser encaminhadas para deliberação do secretário do Meio Ambiente, André Lima. A relação com os componentes e o edital serão divulgados posteriormente.

Comitê
Os especialistas terão como competências avaliar os currículos dos candidatos, com base nos critérios gerais e específicos definidos no edital a ser divulgado pela Secretaria do Meio Ambiente; apresentar ao titular da pasta, após o processo de seleção, até cinco candidatos aptos a ocupar o cargo; e entrevistar os postulantes.

A partir da lista encaminhada pelo comitê, o secretário do Meio Ambiente enviará a indicação de até três candidatos ao governador Rodrigo Rollemberg, a quem caberá a escolha e a nomeação do diretor-presidente. Até então, a escolha para o cargo era feita diretamente pelo chefe do Executivo local.

De acordo com a portaria publicada nesta sexta-feira, caso o selecionado seja exonerado ou destituído do cargo no futuro, em qualquer hipótese, os demais candidatos já indicados ao governador poderão ser chamados.

Requisitos
O edital trará as regras da seleção, mas a portaria já define requisitos que devem ser considerados pelo grupo para o recrutamento e a seleção de candidatos, como ser, preferencialmente, servidor público ocupante de cargo efetivo de nível superior, pertencente ao quadro de pessoal dos órgãos integrantes do Sistema Distrital de Meio Ambiente ou do governo de Brasília e com experiência mínima de dez anos em gestão pública ou privada em área afim.

Também são condições ter experiência de, no mínimo, dez anos em cargos gerenciais, cujas funções sejam correlatas às de gestão pública; ter, de preferência, formação e experiência nas áreas de atuação de zoológicos, de áreas protegidas e de projetos de desenvolvimento sustentável ligados à conservação de espécies da fauna; e não ter sido condenado em processos criminais ou julgado culpado em inquéritos administrativos ou sindicâncias.

“É um processo aberto, transparente e meritocrático para um cargo importante”, afirma o secretário do Meio Ambiente, André Lima. “Vamos estudar as propostas e ver o que é convergente com o que queremos. O zoológico não é só uma área de lazer, é também uma área de conservação de espécies. Esperamos que os candidatos tragam propostas inovadoras.”

Rômulo Mello está interinamente como diretor-presidente da Fundação Jardim Zoológico de Brasília desde 18 de fevereiro, em substituição a José Vieira, que estava no cargo desde janeiro de 2015. 

Veja a íntegra da portaria.