4/8/16 12:47
Atualizado em 5/12/16 às 18:54

Comandantes têm acesso livre a áreas restritas durante a Olimpíada

As equipes estão prontas para agir em 168 cenários de contingência possíveis. O objetivo é aumentar ainda mais a segurança durante os dias de jogos em Brasília

Comandantes das forças de segurança locais e federais receberam, na manhã desta quinta-feira (4), as credenciais para acesso irrestrito às áreas exclusivas durante a Olimpíada. O documento serve para que essas lideranças operacionalizem o esquema de atuação dos jogos que ocorrem em Brasília. “As ações para esse período estão em processo há um ano, e a tranquilidade está diretamente ligada à integração de esforços dos agentes envolvidos”, enfatiza a secretária da Segurança Pública e da Paz Social, Márcia de Alencar Araújo.

Comandantes das forças de segurança locais e federais receberam, na manhã desta quinta-feira (4), as credenciais para acesso irrestrito às áreas exclusivas durante a Olimpíada.
Comandantes das forças de segurança locais e federais receberam, na manhã desta quinta-feira (4), as credenciais para acesso irrestrito às áreas exclusivas durante a Olimpíada. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

A entrega das credenciais foi feita pela secretária no Centro Integrado de Controle e Comando Regional, da secretaria. Durante o encontro, Márcia destacou que as equipes estão prontas para qualquer situação de risco. “Trabalhamos com a possibilidade de 168 cenários emergenciais”, destaca. De acordo com ela, os planos para contingência foram minuciosamente estudados.

São 172 representantes de 44 agências de segurança em todo o Brasil envolvidos com a Olimpíada. O planejamento foi feito com base em protocolos internacionais de segurança e com foco em três eixos: defesa, segurança e inteligência. “Cada um sabe exatamente como e quando agir. Estamos todos muito bem alinhados”, destaca o coordenador-geral do Centro de Inteligência Nacional da Agência Brasileira de Inteligência, Renan Soares.

Participaram da entrega o comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal, coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira; o comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, coronel Hamilton Santos Esteves Junior; o diretor-geral do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF), Jayme Amorim de Sousa; o subsecretário do Sistema Penitenciário do Distrito Federal, delegado Anderson Jorge Damasceno Espindola; o comandante Militar do Planalto, general de divisão Cesar Leme Justo; entre outras autoridades.

Esquema de segurança começou na madrugada

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, logo após a meia-noite de ontem, a via que contorna o Estádio Nacional Mané Garrincha está interditada. Desde as 7 horas, permanecem fechadas a Via N1, da altura da Rodoviária ao Tribunal de Contas do Distrito Federal, e a N2 — desde a rotatória da W5/W4. Três faixas da S1 ficam interditadas. Por elas circularão os ônibus especiais que farão o transporte de torcedores. Todas as alterações já estavam previstas no planejamento da Operação Olimpíadas.

Quanto à escolta das delegações olímpicas, o serviço está a cargo dos batedores da Polícia Militar, como já havia sido definido nos protocolos da Operação Olimpíadas. Os policiais civis que faziam a segurança do hotel onde está hospedada a seleção olímpica brasileira foram substituídos por policiais militares, seguindo todos os procedimentos de atuação, já previstos no planejamento da operação.

No estádio, por volta das 5 horas, uma força-tarefa formada por equipes do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope), do Corpo de Bombeiros, do Exército Brasileiro e da Comissão Nacional de Energia Nuclear fez uma varredura no interior do Estádio Mané Garrincha como medida preventiva.

Os comandantes garantem que torcedores, população e atletas estão seguros, tanto fora quanto dentro do Estádio Nacional Mané Garrincha, onde há uma delegacia em pleno funcionamento.

Edição: Gisela Sekeff

Galeria de Fotos

Comandantes têm acesso livre a áreas restritas durante a Olimpíada