25/1/17 10:01
Atualizado em 25/1/17 às 15:45

Setor de serviços no DF abriu 18 mil postos de trabalho em dezembro

Comércio ganhou 11 mil novas ocupações, mas construção civil perdeu 7 mil. Desemprego se manteve estável, com 18,6% em relação a novembro. Dados estão na PED divulgada nesta quarta (25)

O setor de serviços do Distrito Federal abriu 18 mil novos postos de trabalho em dezembro de 2016. No comércio, foram 11 mil novas ocupações. Em menor quantidade, a construção civil e a indústria de transformação tiveram redução de postos, de 7 mil e de 3 mil, respectivamente. Em relação a novembro, o desemprego fechou o ano passado relativamente estável — passou de 18,5% para 18,6%.

O setor de serviços do Distrito Federal abriu 18 mil novos postos de trabalho em dezembro de 2016. No comércio, foram 11 mil novas ocupações.
O setor de serviços do Distrito Federal abriu 18 mil novos postos de trabalho em dezembro de 2016. No comércio, foram 11 mil novas ocupações. Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília- 2.12.2016

Os dados são da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) no DF referente a dezembro de 2016, divulgados na manhã desta quarta-feira (25), no auditório da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, no Setor Comercial Sul.

O cenário de novos postos de trabalho, quando comparado com o mesmo período de 2015, também é de melhora. De dezembro de 2015 a dezembro do ano passado, o acréscimo foi de 31 mil.

Esses pontos, no entanto, não foram suficientes para diminuir o desemprego em Brasília diante da pressão no mercado de trabalho. Em dezembro de 2016, registrou-se a entrada de 24 mil pessoas. Em relação ao mesmo mês de 2015, incorporaram-se 114 mil ao mercado de trabalho local. Até o fim de 2016, a pesquisa estimou o número total de desempregados no DF em 302 mil.

Segundo a coordenadora do Sistema PED Nacional, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Lúcia Garcia, o aumento do número de pessoas que se tornam economicamente ativas (formaram-se e começaram a procurar emprego, por exemplo) sem ter vagas é um problema que ocorre desde 2015.

A perspectiva para melhorias depende da diversificação da economia

“Precisamos estudar mais profundamente essa elevação constante da quantidade de pessoas no mercado de trabalho”, complementou o presidente da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), Lucio Rennó. Ele acredita que a perspectiva para melhorias depende da diversificação da economia, com mudanças como maiores salários na área privada em comparação ao setor público.

Para o secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour, presente na divulgação da PED, essa relativa estabilidade do desemprego não é motivo para comemorar, porque ele ainda está muito alto.

A PED é feita pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), pela Secretaria do Trabalho e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), em parceria com a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados do governo de São Paulo.

Acesse a íntegra da Pesquisa de Emprego e Desemprego no DF – dezembro/2016.

Edição: Raquel Flores

Galeria de Fotos

Setor de serviços no DF abriu 18 mil postos de trabalho em dezembro