4/4/17 16:59
Atualizado em 2/3/18 às 16:36

Prospera distribui mais R$ 415 mil em microcrédito produtivo

Valor corresponde ao segundo lote do programa, que tem taxas de juros diferenciadas. Um dos beneficiados foi a comerciante Maria Aparecida Erias, que trabalha com produtos de cama, mesa e banho em Taguatinga Norte

O estoque de produtos de Maria Aparecida Erias, de 51 anos, vai ter um incremento. Nesta terça-feira (4), pela segunda vez, a comerciante, que trabalha com artigos de cama, mesa e banho, obteve ajuda de um microcrédito produtivo para ampliar as mercadorias do negócio que toca em Taguatinga Norte.

A comerciante Maria Aparecida Erias, de 51 anos, vai utilizar o crédito recebido para aumentar o estoque para atender a clientela no Dia das Mães e para o dia a dia.
A comerciante Maria Aparecida Erias, de 51 anos, vai utilizar o crédito recebido para aumentar o estoque para atender a clientela no Dia das Mães e para o dia a dia. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

“Vou aumentar minha mercadoria para atender minha clientela no Dia das Mães e para ter no dia a dia também”, explicou Maria Aparecida. Por ter sido pontual no pagamento da carta de crédito anterior, a empreendedora pôde pegar um valor maior desta vez.

O objetivo futuro, contou Maria Aparecida, é abrir uma loja. Por enquanto, ela mantém a atividade em casa, faz exposições e entregas e também conta com clientes que vão até a sua residência.

A carta de crédito que Maria Aparecida recebeu nesta terça-feira (4) é uma das 34 que integram o segundo lote do Prospera. Ao todo, são R$ 415.683,82 voltados ao microcrédito produtivo, distribuídos em 28 cartas de crédito urbanas (R$ 306.316) e 6 rurais (R$ 109.367,82).

A entrega ocorreu no auditório da Secretaria Adjunta do Trabalho, no Setor Comercial Sul. Para este ano, a estimativa da Secretaria do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos é liberar R$ 11 milhões por meio do programa.

“Temos certeza que neste momento o Prospera está sendo de extrema importância para muitas pessoas manterem os seus negócios e, mantendo seus negócios, elas mantêm os empregos na nossa cidade”, destacou o secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour.

O Prospera é voltado para empreendedores urbanos do setor informal (como autônomos), micro ou pequenas empresas, artesãos, cooperativas de trabalho e produção individual. Na área rural, o microcrédito produtivo orientado ajuda cooperativas e produtores familiares.

Na área urbana, os recursos de capital de giro são exclusivamente para compra de matérias-primas e de mercadorias. Já os de investimento são voltados para aquisição de máquinas, equipamentos, móveis e utensílios. Podem ser utilizados ainda para construção ou reforma do imóvel de trabalho, desde que seja próprio e escriturado.

No caso da área rural, a modalidade de custeio é direcionada para gastos com insumos e preparação de terra para plantio, por exemplo, e a de investimento, para aquisição de máquinas, equipamentos e instalações.

Baixa taxa de juros está entre as vantagens

Uma das vantagens do Prospera está nos juros diferenciados. No campo, as taxas são de 2% ao ano para custeio e de 3% para investimento. Na cidade, o índice é de aproximadamente 0,7% ao mês para capital de giro e para investimento.

Taxas como essa levaram Áquila Raquel Silva Ribeiro, de 28 anos, a recorrer ao programa de microcrédito. Nesta terça-feira, ela pegou pela primeira vez uma carta de crédito do Prospera. Com o dinheiro, vai investir em produtos para um estúdio de estética em Samambaia Sul.

Áquila Raquel Silva, de 28 anos, recebeu a carta de crédito do secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour.
Áquila Raquel Silva, de 28 anos, recebeu a carta de crédito do secretário adjunto do Trabalho, Thiago Jarjour. Foto: Tony Winston/Agência Brasília

“Fui ao banco [Banco de Brasília] fazer um empréstimo normal, e a atendente me falou do Prospera. Fui então à Agência do Trabalhador de Taguatinga e corri atrás da papelada”, disse a empresária. “A taxa de juros é bem mais em conta”, completou.

No espaço, que divide com outros profissionais, Áquila trabalha com procedimentos faciais, como limpeza de pele.

Do pedido do crédito até depois da concessão, os microempreendedores recebem orientação. Os recursos saem do Fundo de Geração de Emprego e Renda do DF, e não há cobrança de taxa de abertura de crédito, de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) ou outros tributos.

O programa é uma iniciativa da Secretaria do Trabalho com o apoio do Banco de Brasília (BRB) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF).

Como solicitar o Prospera

Todas as agências do trabalhador podem auxiliar com informações, mas os pedidos de crédito são feitos nas unidades do Plano Piloto (Setor Comercial Sul, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3).

Essas duas unidades operam o programa de microcrédito do governo de Brasília. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas.

No caso da área rural, deve-se procurar um dos postos da Emater-DF. O atendimento também é de segunda a sexta-feira, das 8 horas ao meio-dia e das 13 às 17 horas.

A Secretaria do Trabalho oferece mais informações em duas cartilhas: uma voltada para o público urbano e outra para o público rural.

Pedidos de crédito do Prospera DF

Para a área urbana

Nas Agências do Trabalhador do Plano Piloto (SCS, Quadra 6, Lotes 10 e 11) e de Taguatinga (Avenida das Palmeiras, Quadra C4, Lote 3)

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 14 às 18 horas

Para a área rural

Nas unidades da (Emater-DF)

De segunda a sexta-feira

Das 8 horas ao meio-dia e das 13 às 17 horas

Edição: Raquel Flores

Galeria de Fotos

Prospera distribui mais R$ 415 mil em microcrédito produtivo