13/9/17 11:24
Atualizado em 13/9/17 às 16:09

Rollemberg visita obras de infraestrutura em Vicente Pires

Governo depende de autorização da Secretaria de Patrimônio da União para construir as bacias de contenção e instalar a rede de drenagem nas Glebas 2 e 4

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, visitou as obras de drenagem pluvial, pavimentação e construção de calçadas em Vicente Pires nesta quarta-feira (13). A primeira etapa das intervenções começou em 2015.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, acompanhado do administrador regional interino de Vicente Pires, Júlio Menegotto, visitou as obras de drenagem pluvial, pavimentação e construção de calçadas nesta quarta-feira (13).
Rollemberg, acompanhado do administrador regional interino de Vicente Pires, Júlio Menegotto, visitou as obras de infraestrutura em Vicente Pires. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Na Gleba 3, estão em construção 27,3 quilômetros (km) de rede de drenagem pluvial, 42 km de pavimentação asfáltica e 101 km de calçadas. O custo é de R$ 34 milhões.

Na Gleba 1, por sua vez, estão sendo implementadas 45,5 km de rede de drenagem e 70 km de pavimentação, ao custo de R$ 90,4 milhões.

“Fazemos um apelo à secretaria para que adiante as autorizações. Temos os recursos necessários e precisamos avançar com as obras antes do período de chuva”Rodrigo Rollemberg, governador de Brasília

Nas Glebas 2 e 4, as obras dependem de aval da Secretaria de Patrimônio da União, por se tratar de terras do governo federal. O órgão precisa autorizar a construção de bacias de contenção para a instalação da rede de drenagem.

“Fazemos um apelo à secretaria para que adiante as autorizações. Temos os recursos necessários e precisamos avançar com as obras antes do período de chuva”, destacou Rollemberg.

A Gleba 2 receberá 99,3 km de drenagem e 124,4 km de pavimentação. Na Gleba 4, são 13,5 km de drenagem e 17 km de pavimentação.

As melhorias em Vicente Pires vão beneficiar 75 mil moradores. O investimento total é de R$ 463 milhões — R$ 397 milhões provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), por meio da Caixa Econômica Federal, e R$ 65 milhões como contrapartida do governo de Brasília.

A região administrativa tem 2,2 mil hectares, divididas em quatro glebas:

  • Gleba 1: compreende os Lotes 1,2 e 3
  • Gleba 2: formada pelos Lotes: 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 e 11
  • Gleba 3: abrange parte dos Lotes 6 e 7
  • Gleba 4: abarca parte dos Lotes 1 e 10

Por meio da implementação do sistema de drenagem pluvial, a água será escoada para os córregos Samambaia e Vicente Pires. Bacias de qualidade e dissipadores farão com que o fluxo cause menor impacto ambiental aos cursos d’água.

Na ocasião, o governador de Brasília comentou que o processo de regularização fundiária segue em paralelo ao de infraestrutura em Vicente Pires. Hoje, a Colônia Agrícola Samambaia é a região que está com os procedimentos em estágio mais avançado.

Ligação Torto-Colorado

O chefe do Executivo local falou também sobre a proposta que fez ao governo federal de compensação ambiental por conta da obra da ligação Torto-Colorado.

A proposta de avançar cerca de 80 metros lineares nos limites do Parque Nacional de Brasília, às margens da BR-020, só será levada à frente se não prejudicar a proteção da unidade de conservação.

Esse é o compromisso estabelecido pelo governo de Brasília com o Ministério do Meio Ambiente. A alteração, em área já submetida à ação humana, vai permitir a construção de um viaduto da ligação Torto-Colorado, na saída norte.

“A outra solução custaria R$ 25 milhões a mais no projeto. Em contrapartida, o governo ofereceria uma área 10 vezes maior e mais preservada para ser incorporada ao parque”, contou Rollemberg.

Caso a pasta do Meio Ambiente libere a construção do viaduto, será necessária a aprovação de Medida Provisória. “A nossa preocupação é que venham outras emendas que possam comprometer o Parque Nacional de Brasília”, ponderou o governador.

Edição: Paula Oliveira

Galeria de Fotos

Rollemberg visita obras de infraestrutura em Vicente Pires