25/9/17 1:13
Atualizado em 25/9/17 à 14:13

Arábia ganha prêmio de melhor filme no Festival de Brasília

Resultado da mostra de cinema brasileiro foi divulgado na noite desse domingo (24). Cerca de 26 mil pessoas assistiram às obras concorrentes exibidas no Cine Brasília desde o dia 15 e participaram das atividades extras ligadas ao evento

O longa-metragem Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans, foi o grande vencedor do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e recebeu o Troféu Candango de melhor filme na noite deste domingo (24), no Cine Brasília.

O longa-metragem Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans, foi o grande vencedor do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
O longa-metragem Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans, foi o grande vencedor do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Foto: Toninho Tavares/Agência Brasília

“Uma das coisas que mais gostei de falar com esse filme foi sobre o poder da arte e do cinema de abordar aquilo que socialmente não fomos colocados”, disse Uchoa ao receber o troféu, ao lado de Dumans, do secretário de Cultura do DF, Guilherme Reis.

Também na categoria de melhor filme, mas para curtas e médias-metragens, a produção Tentei levou o troféu. Quem recebeu a premiação foi a diretora Laís Melo.

No agradecimento, ela falou sobre a representatividade que buscou mostrar com o filme. “Saímos outras pessoas daqui. Que bom poder ocupar este espaço com narrativas das mulheres da classe trabalhadora.”

O terceiro prêmio de melhor filme foi o especial do júri, que foi para Café com canela, de Ary Rosa e Glenda Nicácio.

Com início às 18h30, a cerimônia de encerramento teve a exibição do longa Abaixo a gravidade antes da entrega dos prêmios.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, também esteve na premiação desta noite. “Só ouvi comentários positivos tanto da qualidade da mostra quanto do design do Cine Brasília, com a rodada de negócios patrocinada pela Secretaria de Cultura e o anúncio do Parque Audiovisual pelo governo de Brasília”, disse.

De acordo com a Secretaria de Cultura, cerca de 26 mil pessoas assistiram às obras concorrentes exibidas no Cine Brasília desde o dia 15 e participaram das atividades extras ligadas ao evento.

Filmes da mostra competitiva receberam cachê

Na edição deste ano, não foram entregues premiações em dinheiro para os filmes vencedores. Em vez disso, R$ 340 mil foram distribuídos para as produções que participaram das mostras do festival como cachê. O dinheiro é da Secretaria de Cultura.

Para os filmes da mostra competitiva, foram direcionados R$ 15 mil aos nove longas e R$ 5 mil aos 12 curtas-metragens. Os que tiveram sessões especiais receberam R$ 10 mil cada um, enquanto os longas de mostras paralelas ficaram com R$ 3 mil.

Mostra Brasília

Já a Mostra Brasília, com quatro longas e 13 curtas concorrentes, teve o prêmio de R$ 100 mil para o filme O fantástico patinho feio, de Denilson Félix, que recebeu o Troféu Câmara. “A primeira vez que entrei no Cine Brasília foi para uma entrega como office boy. E estou aqui hoje”, recordou Félix.

O valor é parte dos R$ 240 mil distribuídos pela Câmara Legislativa para as 17 produções da mostra.

O melhor longa eleito pelo público foi o Menina de barro, de Vinícius Machado, que recebeu o prêmio de R$ 40 mil.

Vencedores

Mostra competitiva

Troféu Candango (longa-metragem)

Melhor filme: Arábia, de Affonso Uchoa e João Dumans

Melhor direção: Adirley Queirós, de Era uma vez Brasília

Melhor ator: Aristides de Sousa, em Arábia

Melhor atriz: Valdinéia Soriano, em Café com canela

Melhor ator coadjuvante: Alexandre Sena, em Nó do diabo

Melhor atriz coadjuvante: Jai Baptista, em Vazante

Melhor Roteiro: Ary Rosa, por Café com canela

Melhor fotografia: Joana Pimenta, por Era uma vez Brasília

Melhor direção de arte: Valdy Lopes JN, por Vazante

Melhor trilha sonora: Francisco Cesar e Cristopher Mack, por Arábia

Melhor som: Guile Martins, Daniel Turini e Fernando Henna, por Era uma vez Brasília

Melhor montagem: Luiz Pretti e Rodrigo Lima, por Arábia

Prêmio especial do júri: melhor ator social para Emelyn Fischer, por Música para quando as luzes se apagam

Júri Popular: Café com canela, de Ary Rosa e Glenda Nicácio

 

Troféu Candango (curta-metragem)

Melhor filme: Tentei, de Laís Melo

Melhor direção: Irmãos Carvalho, por Chico

Melhor ator: Marcus Curvelo, por Mamata

Melhor atriz: Patricia Saravy, por Tentei

Melhor roteiro: Ananda Radhika, por Peripatético

Melhor fotografia: Renata Corrêa, por Tentei

Melhor direção de arte: Pedro Franz e Rafael Coutinho, por Torre

Melhor trilha sonora: Marlon Trindade, por Nada

Melhor som: Gustavo Andrade, por Chico

Melhor montagem: Amanda Devulsky e Marcus Curvelo, por Mamata

Prêmio especial: Peripatético, de Jéssica Queiroz

Júri popular: Carneiro de ouro, de Dácia Ibiapina

 

Mostra Brasília

22º Troféu Câmara Legislativa

Prêmios do júri oficial

Melhor longa-metragem: O fantástico patinho feio, de Denilson Félix

Melhor curta-metragem: UrSortudo, de Januário Jr, e Tekoha – Som da Terra, de Rodrigo Arajeju e Valdelice Veron

Melhor direção: Dácia Ibiapina, por Carneiro de ouro

Melhor ator: Elder de Paula, por UrSortudo

Melhor atriz: Rafaela Machado, por Menina de barro

Melhor roteiro: Januário Jr., por UrSortudo

Melhor fotografia: Gustavo Serrate, por A margem do universo

Melhor montagem: Lucas Araque, por Afronte

Melhor direção de arte: Bianca Novais, Flora Egécia e Pato Sardá, por O menino leão e a menina coruja

Melhor edição de som: Maurício Fonteles, por Tekoha – Som da Terra

Melhor trilha sonora: Ramiro Galas, por O vídeo de 6 faces

 

Prêmios do júri popular

Melhor longa-metragem: Menina de barro, de Vinícius Machado

Melhor curta-metragem: O menino leão e a menina coruja, de Renan Montenegro

Edição: Paula Oliveira

Galeria de Fotos

Arábia ganha prêmio de melhor filme no Festival de Brasília