Fale com o Governo Ações em Destaques

29/11/17 às 19:31

Riacho Fundo II recebe mais de 5 mil mudas do Cerrado

Espécies foram plantadas como compensação ambiental pelo parcelamento de solo para construir unidades habitacionais na região administrativa

Larissa Sarmento, da Agência Brasília

Para recuperar áreas verdes degradadas no Riacho Fundo II, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab) plantou 5.550 mudas de 30 diferentes espécies do Cerrado, como ipê-amarelo e araçá.

Foram plantadas 5.500 mudas nativas do Cerrado com espécies como ipê-amarelo.
Foram plantadas 5.550 mudas nativas do Cerrado de espécies como ipê-amarelo. Foto: Renato Araújo/Agência Brasília

A operação ocorreu em uma área de 3,5 hectares da região administrativa, como contrapartida pelo parcelamento do solo para a construção do Residencial Parque do Riacho, parte do programa Habita Brasília.

Prevista em lei, a compensação florestal é exigida de empresas ou órgãos cujos empreendimentos tenham impactos ambientais com a supressão vegetal. O processo de recuperação das áreas afetadas é definido pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram) ao licenciar os projetos.

Depois que a obrigatoriedade legal é cumprida, o Ibram monitora o plantio por dois anos para verificar se as mudas continuam vivas.

“A compensação é para garantir as funções ambientais das árvores perdidas, como a infiltração de água no solo e a presença de fauna”, destacou o gerente de Gestão Florestal, Luiz Fernando Xavier da Silva.

Segundo ele, a área escolhida para o plantio, o Parque do Riacho Fundo, é de extrema importância, pois recupera a bacia hidrográfica do Riacho Fundo, que abastece o Lago Paranoá.

Como é feita a compensação ambiental

A compensação ambiental está prevista nos Decretos Distritais nº 14.783, de 1993, e nº 23.585, de 2003, que dispõem sobre o tombamento de espécies arbóreo-arbustivas e a forma como deve ser feita nos casos em que se mostra inevitável suprimi-las.

Para cada árvore derrubada, precisam ser plantadas 30 nativas. Se forem espécies exóticas, são dez novas para cada uma retirada.

Edição: Raquel Flores

Últimas Notícias