13/11/18 12:56
Atualizado em 13/11/18 às 18:59

Grupo Cutucart apresenta peça patrocinada pelo FAC na Estrutural

Espetáculo Cor de Amor(a) contempla os moradores da cidade de 26 a 28 de novembro

Duas pessoas se encontram em um jardim, que se transforma num mundo paralelo e particular, e nele constroem a própria relação. Enquanto o lugar está vivo, a relação dos dois se mantém. Quando o jardim envelhece, o relacionamento entre eles também se desgasta.

Esse é o enredo da peça Cor de Amor(a), do grupo teatral Cutucart, que será apresentado na Estrutural com o patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) da Secretaria de Cultura do Distrito Federal. O espetáculo ocorrerá no Centro de Referência Especializado em Assistência Social (Creas) em 26, 27 e 28 de novembro.

A peça Cor de Amor(a) estreou no Festival de Teatro do Rio de Janeiro, em 2013. Em 2015, a peça ganhou edital para circular pelo DF, onde promoveu 11 apresentações por Ceilândia, Samambaia, Recanto das Emas e Vila Telebrasília. Para comemorar os 5 anos do espetáculo, o grupo programou essa temporada especial na Estrutural.

Além das apresentações, desde agosto deste ano o grupo tem oferecido oficinas teatrais gratuitas para a comunidade do local. O curso encerra em 20 de dezembro e os alunos saem certificados.

A Estrutural é o berço dos artistas do Cutucart. Grande parte dos integrantes é de moradores ou já morou na cidade. São atores e professores de teatro que saíram de lá em busca de formação artística.

Agora, com o patrocínio do FAC, o grupo devolve à cidade de origem o que aprendeu sobre a arte, com cursos e apresentações teatrais.

Para o diretor do espetáculo morador da cidade, Wanderson de Sousa, “iniciativas como essa fazem com que a comunidade perceba que tem gente de lá que valoriza a cultura local”.

Coletivo teatral é fruto de projeto de escola pública

Em 2006, ao identificar a situação de vulnerabilidade social vivida por alguns alunos do Centro Educacional 1 do Cruzeiro, o professor de artes Getúlio Cruz passou a oferecer uma oficina de teatro no horário contrário às aulas.

No mesmo ano, viu que possíveis talentos surgiam e que alguns estudantes se interessavam profundamente. Com isso, começou a produzir peças na própria escola. Os textos eram baseados em livros estudados para o Programa de Avaliação Seriada (PAS) da Universidade de Brasília (UnB).

“O teatro não os leva somente para a arte, mas para a vida. A questão não é ser, necessariamente, ator ou atriz. O meu pagamento é encontrá-los na rua, como enfermeiros, advogados e ver que tiveram um rumo na vida. Para mim, esse é o legado”, comemora o professor de artes Getúlio Cruz.

Mesmo sem o propósito principal de formar artistas, em 2009, o professor resolveu criar o Cutucart (um grupo profissional).

Foi assim que muitos dos que passaram pelas oficinas de teatro de Getúlio resolveram seguir carreira. Das sete pessoas que compõem o grupo, apenas uma não é ex-aluna. Os demais estudaram na escola e posteriormente fizeram graduação na área artística. Os ensaios ocorrem na própria instituição.

Um exemplo é Bianca de Oliveira, de 24 anos. Ela cursou artes cênicas na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes e hoje é professora no colégio onde tudo começou. “Essa experiência definiu a minha vida”, destaca Bianca, que hoje ocupa o lugar que foi de Getúlio nas salas de aula da escola.

Já para Izabella Beatriz Dias, de 25 anos, o projeto deu a possibilidade de descoberta pessoal. A moça interpreta uma idosa na peça e conta que, no início, sequer se interessava em estar em cena. “Faço um papel que é completamente diferente da minha vida. Busco sempre coisas assim”, diz a licenciada em dança e professora da Escola Parque da 313/314 Sul.

Espetáculo Cor de Amor(a)

26, 27 e 28 de novembro

Às 19 horas

Centro Cultural do Centro de Referência de Assistência Social (Creas), Área Especial nº 9, Setor Central, na Estrutural 

Entrada franca

Informações: Informações: (61) 9 8293-0871 / cutucarteatro@gmail.com / @cutucart

Edição: Marcela Rocha