6/8/19 12:37
Atualizado em 6/8/19 às 17:33

Inclusão de estados e municípios na reforma será defendida por governadores no Senado

Decisão foi deliberada por chefes do Executivo durante fórum em Brasília

Governadores reunidos em fórum defendem inclusão de estados e municípios na reforma previdenciária. Foto: Renato Alves/Agência Brasília

A inclusão de estados e municípios no texto da reforma da Previdência que será enviado para votação no Senado Federal foi defendida por governadores na 6ª edição do Fórum de Governadores, nesta terça-feira (6), em Brasília. Um grupo de líderes estaduais levaria a proposta ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). O texto será encaminhado à Casa depois de votado e aprovado em segundo turno pela Câmara dos Deputados. Clique aqui para ver o documento na íntegra.

Os governadores querem evitar que os governos estaduais e distrital sejam obrigados a decidir separadamente as mudanças nas regras previdenciárias em suas assembleias e Câmara Legislativa. No entendimento da maioria deles, isso criaria um desgaste com os servidores regionais.

Por unanimidade, os governadores entenderam, em debate no Fórum, apoiar o texto proposto pelo Senado de inclusão dos estados e municípios na proposta. “É uma carta geral, que coloca todos os 27 governadores em apoio à inclusão dos estados e municípios (na reforma da Previdência), deixando ressalvadas posições pontuais”, explicou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, coordenador do Fórum.

Também participaram do 6° Fórum de Governadores o vice-governador do DF, Paco Britto, e o secretário de Fazenda, Planejamento, Orçamento e Gestão, André Clemente. “Encontros como esse são muito produtivos, pois há a possibilidade de debater e tomar posições decisivas relacionadas a assuntos fundamentais aos estados como a Lei Kandir e a Reforma Tributária”, ressaltou Paco Britto.

PEC paralela
A reforma foi o primeiro tema discutido pelos governadores no encontro realizado na sede do Banco do Brasil, na Asa Norte, onde se reuniram chefes do Executivo e representantes das unidades da Federação.

Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite demonstrou preocupação com propostas paralelas à do governo ao texto que vai à votação em segundo turno na Câmara dos Deputados. Uma dessas propostas é a chamada PEC paralela, proposta pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) – que revê a retirada dos estados e municípios da reforma do governo federal.

“A PEC paralela pode provocar uma imobilização de estados e municípios e aí vamos entrar em 2020, ano de eleições, paralisados nesse assunto”, pontuou Leite. “Temos que prestar apoio a essa PEC em paralelo. Se vai ser aprovada ou não depende do Congresso”, observou Ibaneis Rocha. A posição de Ibaneis foi complementada por Hélder Barbalho, governador do Pará.

Redistribuição
O Projeto de Lei Complementar (PLP) 511/18, conhecido como Lei Kandir, e a implementação efetiva e emergente de um pacto federativo no Brasil também foram discutidos pelos governadores durante o encontro. No entendimento dos Executivos regionais, a União joga peso dos ajustes sobre os estados causando, como consequência, um colapso regional, além da desindustrialização do país.

O PLP obriga a União a repassar anualmente R$ 39 bilhões a estados, ao Distrito Federal e aos municípios. O texto está pronto para votação em primeiro turno no plenário da Câmara dos Deputados. Apesar disso, não houve acordo no ano passado para sua conclusão.

 

 

Galeria de Fotos

VI Fórum Nacional dos Governadores