24/8/19 15:31
Atualizado em 24/8/19 às 20:16

Festival de Robótica Educacional movimenta o DF

Evento reúne atividades diversificadas sobre robótica, além da etapa distrital da Olimpíada Brasileira de Robótica

Estudante da rede pública de ensino participa do Festival de Robótica Educacional, no CEPAG
Foto: Márcio Soares/ SEEDF

Aos oito anos, a estudante Maiara Barbosa teve seu primeiro contato com a tecnologia ao ganhar um computador do pai, e foi paixão à primeira vista. O interesse pela inovação tecnológica permaneceu e, neste sábado (24), ela era uma das representantes do Centro Educacional 310 de Santa Maria, no Festival de Robótica Educacional. “O evento está superando minhas expectativas, a tecnologia é o futuro, mas as meninas precisam de mais incentivo para ocupar esse espaço”, alertou Maiara, que sonha em cursar Engenharia da Computação.

Realizado no Centro de Educação Profissional Articulado do Guará (Cepag), o encontro teve como objetivo promover a robótica, suas tecnologias e inovações para estudantes, professores e público interessado. Além dos competidores da etapa distrital da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) e participantes da Mostra Nacional de Robótica (MNR), os estudantes assistiram a palestras interativas. No total, 240 alunos passaram pelas oficinas que abordaram da introdução à robótica ao Scratch – uma linguagem de programação.

Representando o secretário de Educação, João Pedro Ferraz, o subsecretário de Educação Básica, Helber Vieira, salientou que o Festival é uma celebração do conhecimento e da educação. “Concebemos a robótica como uma temática que há de ser norteadora do futuro, trazendo benefícios por meio dos avanços tecnológicos e contribuindo para um mundo melhor”, afirmou Helber.

Ronaldo César, professor de Física da Escola Técnica de Brasília (ETB), foi um dos expositores do evento. Ao lado dos colegas Izaías Cabral e Jaime Antunes, ele apresentou o projeto Clima Escola, que possibilita a implantação de estações em unidades de ensino, gerando dados como umidade, pressão e temperatura que alimentam uma rede meteorológica.

Em outro estande, o aluno Tiago Joshua, do 5º ano, da Escola Classe 401 do Recanto das Emas, explicava o funcionamento de um robô de navegação, que se locomovia pelo ambiente, de acordo com critérios preestabelecidos. O estudante participa do projeto desenvolvido pelo professor Francenylson Dantas, que conta com quatro escolas, além da promoção do curso Robótica Livre, oferecido pela Subsecretaria de Formação Continuada dos Profissionais da Educação (EAPE).

A chefe da Assessoria Especial do Gabinete da Secretaria, Janaína Almeida, destacou a importância do evento para a divulgação dos trabalhos desenvolvidos pelos alunos. “É preciso propiciar a eles o contato com a inovação e um espaço para divulgação das pesquisas realizadas.”

Uma das equipes que disputavam a OBR era composta por quatro estudantes do CED 01 do Itapoã, coordenados pelo professor Adriano Carvalho que apresentavam um projeto feito com Legos em uma das arenas da Feira. A unidade escolar já ganhou como equipe estreante e ficou em 5º lugar em 2018.

“Enfatizo que o objetivo não é só ganhar, pois todo mundo ganha quando se aprende. Mas esperamos ir para a etapa nacional”, explicou o professor.

* Com informações da Secretaria de Educação do Distrito Federal