16/9/19 14:00
Atualizado em 16/9/19 às 14:28

Mais de 56% dos acessos ao Portal da Regularização partem de dispositivos móveis

Em um mês de funcionamento, plataforma registrou 7.299 usuários únicos. Desse total, 4.129 fizeram a navegação por meio de smartphones para buscar informações sobre os processos no DF

A maioria – 56,5% – dos usuários únicos que acessaram o Portal da Regularização, no primeiro mês de funcionamento da plataforma, utilizou dispositivos móveis para fazer a busca. A ferramenta, que permite a consulta das etapas dos processos de regularização fundiária no Distrito Federal, registrou 7.299 usuários no período. Desse total, 4.129 pessoas se valeram de smartphones para fazer a navegação. Outras 3.106 o fizeram por meio de computadores e, 77, por tablets.

O Portal da Regularização foi desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) e está on-line desde 15 de agosto. Os dados de acesso foram coletados entre 15 de agosto e 12 de setembro pela Unidade de Tecnologia (Untec) do órgão.

Desde que foi criado, o site registrou 10.636 sessões, ou seja, navegação pelas páginas internas da plataforma. A maioria das buscas partiu de Brasília — 5.965 usuários tinham IP identificado no Distrito Federal. Além disso, a ferramenta recebeu a visita de usuários do Rio de Janeiro (442) e de Goiânia (341).

O Portal da Regularização permite a consulta on-line sobre as etapas dos processos de regularização fundiária no Distrito Federal. Assim, todas as áreas classificadas como Áreas de Regularização de Interesse Social (Aris), Áreas de Regularização de Interesse Específico (Arines) e Parcelamentos Urbanos Isolados do Solo (Puis) podem ser verificadas.

Objetivo
A ferramenta tem o intuito de dar transparência às fases em que os processos estão, bem como deixar claro as áreas passíveis de regularização e o órgão ou o interessado responsável pela elaboração do projeto e dos estudos ambientais necessários para que a regularização seja aprovada pela Seduh. O portal também visa deixar claras as diretrizes urbanísticas previstas para cada área.

*Com informações da Seduh