26/9/19 17:10
Atualizado em 26/9/19 às 17:11

Exposição fotográfica mostra resgate da qualidade de vida de transplantados

Atividade integra o Setembro Verde, mês de conscientização sobre doação de órgãos

Acervo conta com fotos pessoais cedidas por receptores de órgãos | Foto: Breno Esaki / Secretaria de Saúde

Moradores de todo o Distrito Federal têm até esta sexta-feira (27) para visitar uma mostra fotográfica organizada pela Secretaria de Saúde para sensibilizar sobre o Setembro Verde, período destinado à doação de órgãos. Aberta ao público na galeria de artes do Pátio Brasil Shopping, das 10h às 22h, a exposição convida o público a contemplar imagens que ilustram o antes e depois do transplante, expondo o resgate da qualidade de vida dos transplantados.

É a primeira vez que essa atividade cultural faz parte da programação do Setembro Verde, em iniciativa da Central Estadual de Transplantes (CET). O setor já realizou neste mês cerca de 40 palestras e atividades culturais para destacar a importância da doação de órgãos.

“Quem visitar a mostra fotográfica sairá do imaginário popular sobre o que é a doação de órgãos, visualizando e conhecendo, de perto, a vida de um receptor”, destaca o enfermeiro e gestor do Núcleo de Distribuição de Órgãos e Tecidos da CET, Anderson Galante.

Beber água, mergulhar, caminhar, brincar com os filhos, praticar esportes parecem coisas simples. Mas, para os que aguardam a doação de um órgão, são situações difíceis e, muitas vezes, impossíveis. “Devolver vida e movimento a quem recebe um órgão é um gesto sublime de amor e desprendimento da família que doa, que faz de um momento de despedida e separação do seu ente querido. É a continuidade da vida de quem está em um leito de hospital ou em uma cadeira de rodas”, ressalta Anderson Galante.

| Foto; Breno Esaki / Secretaria de Saúde

O acervo conta com fotos pessoais cedidas pelos receptores de órgãos, com imagens mostrando as limitações vividas antes do transplante e registros da situação posterior. A comparação das fases do tratamento evidencia a superação, a independência, a autonomia e a nova vida dos transplantados.

Um dos expositores, o jornalista Tiago Damásio, 32 anos, tornou-se diabético aos oito anos. Com o passar do tempo o problema se agravou, culminando na paralisação dos rins e na dependência da hemodiálise. Em 2018 ele passou por um transplante duplo (pâncreas e rim) que lhe trouxe a cura do diabetes e o fim das sessões de hemodiálise.

“É preciso que as pessoas conversem em família sobre a doação de órgãos. O ato de doar, após perder um ente querido, vai além da generosidade, envolve compaixão e a consciência de que os órgãos podem salvar outras pessoas, como aconteceu comigo”, destaca Tiago.

Programação

Em 27 de setembro, Dia Nacional de Doação de Órgãos, será realizado um talk show, às 18h, com Tiago Damásio, receptor de pâncreas-rim. O evento acontece na praça central do Pátio Brasil Shopping, com mediação do jornalista Vinícius Sassine (revista Época e jornal O Globo).

Também está programado para o local um show musical de Davi Ramiro, marcando o encerramento das atividades do Setembro Verde.

Doador

No Brasil, a doação de órgãos só é efetuada após a autorização da família. Quem quiser doar órgãos precisa informar aos familiares sobre seu desejo e deixar claro que eles, por sua vez, devem autorizar a doação. Ainda é elevado o índice de não permissão por parte das famílias.

Para se ter ideia, seria possível zerar a fila das pessoas que esperam por um órgão compatível se as famílias de todos os possíveis doadores concordassem com o ato. Hoje, de acordo com dados do Ministério da Saúde, 43% dessas famílias ainda se negam a doar.

 

* Com informações da Secretaria de Saúde