30/10/19 16:26
Atualizado em 31/10/19 às 10:41

Região de Saúde Oeste discute enfrentamento ao Aedes aegypti

Objetivo é nivelar as ações de combate às arboviroses

| Foto: Mariana Raphael / Secretaria de Saúde​

As atividades destinadas a conhecer, colaborar e multiplicar ações do Plano de Enfrentamento das Arboviroses Todos contra a dengue no DF foram discutidas nesta quarta-feira (30), durante a reunião estratégica da Subsecretaria de Vigilância à Saúde realizada no Hospital Regional de Ceilândia, pertencente à Região de Saúde Oeste.

“O combate à dengue e ao mosquito Aedes aegypti é muito importante por causa da epidemia e dos óbitos que ocorreram no ano passado. Estamos com esse plano, trabalhando com as regiões administrativas e demais órgãos envolvidos no combate à dengue. O cidadão também precisa se envolver e ter conhecimento para enfrentar a doença, que causa uma morbidade muito grande na população”, reforça o superintendente da Região de Saúde Oeste, Roberto Côrtes.

O diretor de Vigilância Epidemiológica, Cássio Peterka, ressalta: “Na reunião de hoje, conversamos sobre o plano, as formas de interagir com os profissionais de saúde e com a comunidade, e analisamos o que pode ser feito e adaptado para enfrentar as arboviroses. Nosso objetivo é, além de capacitar, buscar novos parceiros para uma resposta mais efetiva ao enfrentamento da dengue”.

O Plano de Enfrentamento das Arboviroses – doenças causadas pelos chamados arbovírus, que incluem dengue, zika, chikungunya e febre amarela – foi apresentado pela Secretaria de Saúde nesta terça-feira (29). Os encontros destinados a analisar e discutir a proposta serão realizados em todas as regiões de saúde. As discussões vão abranger desde a vigilância até a assistência aos pacientes.

“Esse debate é importante para que cada um possa contribuir, dentro de seus setores, ajudando a pensar em um planejamento, um plano de ações para os casos que forem surgindo e não evoluam para óbito”, destaca a técnica de enfermagem do Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Região de Saúde Oeste, Mariza Rodrigues.

As estratégias de combate ao mosquito incluem dobrar de 40 para 80 o número de veículos de aplicação do fumacê, aumentar em mais 200 pessoas o efetivo de agentes nas ruas, usar motos para reforçar a pulverização de Ultra Baixo Volume (UBV) e receber o apoio de 1,5 mil militares do Corpo de Bombeiros.

 

* Com informações da Secretaria de Saúde