18/11/19 16:36
Atualizado em 18/11/19 às 17:28

Prevenção livra Jardim Botânico de queimadas em 2019

Marco histórico é resultado de ações como rondas periódicas, manutenção prévia de viaturas e instalação de uma caixa d’água de 45 mil litros

JBB apostou em palestras e orientação para preparar servidores contra queimadas | Foto: Jardim Botânico / Divulgação

Pela primeira vez em quatro anos, o Jardim Botânico de Brasília (JBB) não registrou qualquer foco de incêndio em seus quase 5 mil hectares. O marco histórico é resultado do trabalho de prevenção e vigilância desenvolvido pela Brigada de Incêndios Florestais do parque, que efetuou 125 quilômetros de aceiros mecânicos e negros dentro da Estação Ecológica do JBB (EEJBB) e na Área de Proteção Integral Gama Cabeça de Veado. Além disso, palestras, capacitação e treinamentos foram oferecidos para servidores com o intuito de qualificá-los para proteger a unidade de conservação.

A diretora-executiva do JBB, Aline De Pieri, ressaltou a importância do trabalho de prevenção, fundamental para a preservação do Cerrado. “Estávamos apreensivos com o período seco neste ano, devido ao grande volume de chuva registrado nos primeiros meses do ano, o que favoreceu o acúmulo de material orgânico no solo. Isso é um verdadeiro combustível para o fogo. Mas graças ao trabalho da nossa brigada, não registramos nenhum foco aqui dentro”, comemorou.

Caixa d’água de 45 mil litros dentro da Estação Ecológica do JBB agiliza eventuais ações contra incêndio | Foto: Jardim Botânico / Divulgação

O último incêndio de maiores proporções no interior da EEJBB aconteceu em 2014, queimando cerca de 140 hectares. Em 2017, o fogo destruiu 3 hectares e, em 2018, 2,5 hectares.

A equipe da brigada, com o apoio dos servidores do JBB, combateu ao todo 14 focos de incêndio ao redor da unidade de conservação em 2019. De acordo com o gerente de Preservação do JBB, Pedro Cardoso, ações como rondas periódicas, manutenção prévia das viaturas e a instalação de uma caixa d’água de 45 mil litros dentro da Estação Ecológica foram fundamentais. Houve, ainda, reforço de quatro brigadistas contratados pelo Brasília Ambiental (Ibram).

Blitz verde: campanhas de trânsito compuseram pacote de ações contra incêndios florestais | Foto: Jardim Botânico / Divulgação

“Sabemos que o fogo é inevitável, mas as ações de prevenção podem minimizar os impactos e o estrago dos incêndios florestais. O monitoramento que realizamos no período da seca foi determinante para o sucesso do trabalho em um ano em que registramos recorde de altas temperaturas e baixas umidades”, complementou Pedro Cardoso.

Redução dos focos

Algumas medidas são fundamentais para reduzir o número de ocorrências de incêndios florestais. O aceiro negro, por exemplo, é uma técnica eficiente que utiliza fogo controlado para abaixar a vegetação. A intervenção evita que um incêndio iniciado na área externa se propague em direção a uma área protegida. Já o chamado aceiro mecânico é realizado por máquinas que abrem a vegetação.

A instalação de reservatórios de água para facilitar o abastecimento dos caminhões-pipa também é uma medida importante para auxiliar no combate às chamas. A Secretaria de Meio Ambiente do DF instalou neste ano três equipamentos em áreas estratégicas, como a própria Estação Ecológica do JBB. Clique aqui para saber mais.

Além disso, foram realizadas oito blitze educativas em diferentes pontos do DF para conscientizar a população sobre a importância da prevenção dos incêndios florestais. O objetivo é alertar e sensibilizar os motoristas sobre a proibição e os perigos da queima de lixo e restos de poda. Clique aqui para saber mais.

 

* Com informações do Jardim Botânico