12/12/19 9:48
Atualizado em 12/12/19 às 12:46

Agrofloresta mecanizada em mais dois núcleos rurais 

O sistema protege a terra e os mananciais e converte os agricultores das regiões das bacias do Descoberto e do Paranoá para uma agricultura mais sustentável

Os agricultores dos assentamentos Canaã e El Shaday comemoram desde já a chegada do programa de Sistemas Agroflorestais Mecanizados–SAF, que será desenvolvido pela Secretaria do Meio Ambiente a partir de janeiro. O secretário, Sarney Filho, foi ao encontro em Canaã nesta quarta-feira (10).

Foto: Sema/Divulgação

Uma das agricultoras beneficiadas, Antônia Maria da Silva, já conhece o sistema de agroflorestas que transformou um espaço onde planta em terra fértil. “Estamos entusiasmados, porque com o SAF Mecanizado, numa área de 1 hectare para cada família beneficiada, será possível produzir  e comercializar muito mais produtos, todos eles livres de agrotóxicos”, afirmou. 

O início dos plantios será feito de forma escalonada, tendo início no dia 8 de janeiro. Serão plantados 12 hectares de agroflorestas, atendendo 23 famílias.

O secretário Sarney Filho destacou a cooperação entre os órgãos do GDF para atender os agricultores do DF e destacou o diferencial da Agrofloresta Mecanizada. 

“Os SAFs protege a terra e os mananciais. Trata-se de uma estratégia promissora para conversão dos agricultores para uma agricultura mais sustentável, que associe a geração de renda com a recuperação da capacidade de produzir água”, afirmou.

Ele assinalou que os projetos ainda são pilotos, mas acredita que a experiência, inédita, poderá ser levada depois para os estados e até para outros países. Já foram implantados 4 hectares de SAFs nas duas bacias do DF e o total previsto no projeto são 20 hectares.

Poços artesianos
Elvia Paranaguá, subsecretária de Políticas Sociais Rurais da Seagri, também destacou a importância dos SAFs, e anunciou que a secretaria conseguiu remanejar recursos que já foram descontingenciados para a construção de poços artesianos na região do Córrego do Rodeador. 

“São poços profundos que também poderão ser usados para irrigação. A outorga será feita pela Adasa”, explicou. Os agricultores esperavam pelo anúncio dos poços, porque hoje enfrentam grandes dificuldades hoje para conseguir água potável e para irrigar as plantações.

* Com informações da Secretaria do Meio Ambiente