6/2/20 16:04
Atualizado em 6/2/20 às 16:14

SIA passa por nova vistoria para detectar focos de dengue

No primeiro dia da ação, quase 100% dos imóveis visitados no local tinham larvas do mosquito

Minuciosa, a inspeção permitiu identificar focos do mosquito transmissor da dengue em vários terrenos e imóveis que se encontram com acesso fechado | Foto: Breno Esaki / SES

Uma nova vistoria com drones foi realizada, nesta quinta-feira (6), nos imóveis do Setor de Indústria e Abastecimento (SIA). Em parceria com militares do Corpo de Bombeiros e outros órgãos do GDF, agentes de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde (SES) prosseguem nas ações iniciadas na quarta-feira (5) para detectar focos do mosquito Aedes aegypti.

“Infelizmente, em torno de 150 imóveis do SIA estão fechados”, informa o diretor de Vigilância Ambiental da SES, Edgar Rodrigues. “A liminar que temos em mãos nos possibilita adentrar nesses lotes. Ao fazermos isso, detectamos muitos depósitos do mosquito. Dos visitados ontem [quarta-feira, 5], quase 100% tinham larvas do Aedes, e uma área como essa compromete toda a região.”

De acordo o tenente-coronel do Corpo de Bombeiros Deusdete Vieira, a maior parte dos locais visitados estava abandonada, o que facilitou o acúmulo de água e proliferação do mosquito em pontos como caçambas de lixo, pneus e terrenos baldios. “Vistoriamos 40% da demanda repassada, e hoje [quinta, 6] vamos trabalhar para concluir os imóveis restantes”, ressaltou.

Drones fazem inspeção

Os trabalhos continuam com o uso de três drones operados por homens do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil. Com as imagens em alta resolução captadas pelos equipamentos, os agentes de identificam os imóveis onde há possibilidade de focos e os indicam para as equipes de campo que fazem as vistorias.

Quando os agentes da SES e bombeiros vistoriaram os locais, aplicam larvicida em pontos estratégicos e orientam sobre como evitar a proliferação do mosquito. Nos imóveis fechados, eles precisam utilizar escadas para entrar nos lotes.

Para os moradores e frequentadores do SIA, esse trabalho é mais do que bem-vindo. “Esse tipo de ação ajuda muito”, comemorou o eletricista Tássio Nóbrega, encarregado de uma das oficinas do local. “Com mais pessoas para cobrar essa atenção, mais seguro eu me sinto, e fica melhor para todo mundo”.

Ações constantes

A ação no SIA foi promovida pela SES e pela Sala Distrital Permanente de Coordenação e Controle das Ações de Enfrentamento às Doenças Transmitidas pelo Aedes do Distrito Federal (SDCC), formada por diversos órgãos do DF, como Casa Civil, secretarias de Saúde e de Educação, Corpo de Bombeiros e Defesa Civil, entre outros.

A Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) também executa, rotineiramente, um trabalho de visita às residências e locais com prováveis focos do Aedes aegypti, realizando manejos ambientais, aplicação de fumacê, instalação de armadilhas contra o mosquito e educação ambiental.

Força-tarefa

 Uma nova força-tarefa entra em ação no sábado (8) para combater a proliferação do vetor transmissor da dengue e outras arboviroses. Dessa vez, a mobilização será realizada nas regiões administrativas do Gama, Fercal, Sobradinho, Vila Planalto e Arapoanga.

A última mobilização ocorreu no início deste mês, em Ceilândia, Pôr do Sol, Sol Nascente, Samambaia, Taguatinga e Brazlândia. Cerca de 700 militares do Corpo de Bombeiros vistoriaram 5.382 imóveis e encontraram 14.631 depósitos de água, 31 deles com focos do mosquito. Também houve inspeções domiciliares e comerciais, com tratamento biológico e instalação de armadilhas.

O último boletim epidemiológico divulgado pela SES apontou 1.419 casos prováveis de dengue nas primeiras semanas de janeiro deste ano, com uma morte pela doença. Houve aumento de 84,1% de casos, se comparado com o mesmo período de 2019. As crianças menores de um ano de idade e os adultos com mais de 50 anos foram as mais atingidas pela doença.

Como ajudar
Se você tem dicas e alertas sobre a dengue, envie seu CEP para o número 40199 e cadastre-se na lista da Defesa Civil.

* Com informações da SES