10/2/20 19:12
Atualizado em 10/2/20 às 19:12

Concerto celebra 160 anos do nascimento de Gustav Mahler

Apresentação, nesta terça-feira (11), às 20h, no Cine Brasília, será acompanhada de mostra artística em homenagem ao músico erudito

Além do concerto sinfônico, o público poderá conferir uma exposição de artes plásticas em homenagem a Mahler, com obras que contam a vida do compositor e regente. Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

 

A Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS) realiza seu segundo concerto de fevereiro nesta terça-feira (11), no Cine Brasília. A apresentação sob a regência do maestro Cláudio Cohen, com entrada franca, celebra os 160 anos de nascimento de um dos um dos maiores compositores e maestros do período romântico da música erudita, Gustav Mahler (1860 -1911). Em parceria com a Embaixada da Áustria, o foyer do Cine receberá exposição em homenagem ao músico.

Considerado um dos ícones do romantismo do século XIX, o regente e compositor checo-austríaco de origem judaica ficou mundialmente conhecido por seu estilo sombrio e suas obras que remetem a clima de suspense e desventuras. Também conceituado como regente, ele se destacou por usar combinações de instrumentos e timbres que pudessem expressar suas intenções de forma criativa, original e profunda.

De acordo com o regente da Sinfônica, Cláudio Cohen, a escolha do repertório celebra, além dos 160 anos do nascimento do compositor, o modo revolucionário com que suas criações se consolidaram dentro do cenário da música erudita mundial. “Escolhemos homenagear Gustav Mahler principalmente pelos novos paradigmas que suas sinfonias trouxeram ao século XX”, reforça.

Sinfonia
Para este concerto, a orquestra optou pela 5a Sinfonia. Aclamada pela crítica mundial, a obra se divide entre o mais trágico e o mais alegre dos mundos. Escrita entre 1901 e 1902, a atração promete instigar o público com notas que percorrem diversos estados e atmosferas.

Na primeira parte da sinfonia, o público se depara com uma marcha fúnebre ao som de trompetes, o que proporciona atmosfera de desolação e agonia. Já no segundo momento, sob um frenético alegro, o clima muda completamente; mas onde parece triunfar o otimismo, ressurgem novamente a angústia e a escuridão. No terceiro movimento, o espectador pode finalmente notar a contradição do gênero proposto por Mahler, já que o ato salta para um cenário mais alegre da vida.

Além do concerto sinfônico, o público poderá conferir, no Foyer do Cine Brasília, exposição de artes plásticas em homenagem a Mahler, com obras que contam a vida do compositor e regente.

Serviço:

160 anos de nascimento de Gustav Mahler e Exposição de arte Gustav Mahler

11/02 – 5ª Sinfonia, de Gustav Mahler;

Regência: Cláudio Cohen.

Entrada franca.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa