28/2/20 13:48
Atualizado em 28/2/20 às 13:50

Sinfônica homenageia ‘O Guarani’, de Carlos Gomes

Concerto desta terça (3) traz ainda solo virtuoso de revelação do violoncelo, em obra do inglês Elgar, e clássico de Tchaikovski

A Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS) fará um concerto na terça-feira (3) que rende especial homenagem a Carlos Gomes (1836-1896), autor da ópera O Guarani, que abre a Voz do Brasil, programa radiofônico criado na era Vargas que está no ar desde 1935.

“A abertura da Voz com O Guarani fez dela um dos nossos hinos nacionais”, compara o regente titular da Sinfônica, Cláudio Cohen.  “Carlos Gomes é o nosso compositor querido, e o concerto celebra os 150 anos da estreia da ópera no Teatro Scala de Milão em 19 de março de 1870”, emenda Leonardo David, titular da Orquestra Camerata do Sesi-ES –  maestro convidado que estará à frente concerto.

Leonardo David, regente convidado

David se desdobra em elogios para a orquestra do Teatro Nacional, que conheceu em outubro do ano passado, quando ensaiou com os músicos para a apresentação de Isaac Karabtchevsky na capital da República. “São músicos muito competentes, que fazem música com saber da mais alta excelência”. Cohen retribui: “O maestro Leonardo é um talento da nova geração de regentes”.

O programa inclui também uma peça do inglês Edward Elgar (1857-1934), Concerto para violoncelo, Opus 85, lançada em 1919. “Elgar é genial e exige muita técnica tanto para o violoncelo como para o acompanhamento da orquestra e regência”, afirma o maestro convidado.

Solista
Marina Martins, solista da peça de Elgar, é considerada por David “nosso futuro no violoncelo”, instrumento que lhe rendeu premiação em concurso da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) em 2018.

Marina Martins: talento | Foto: Osesp/Divulgação

Nascida na Nova Zelândia de pais brasileiros, começou a praticar com três anos de idade e depois continuou seus estudos nos Estados Unidos, Inglaterra e Alemanha, onde é aluna de Pieter Wispelwey na prestigiosa Robert Schumann Musikhochschule” em Düsseldorf, na Alemanha.

Marina, que vem a Brasília especialmente para fazer o solo, refere-se assim à música composta ainda durante a Primeira Guerra, cujos canhões o autor podia escutar: “O concerto para violoncelo de Edward Elgar é um dos pilares do repertório para o instrumento. Carrega uma poderosa, melancólica e avassaladora intensidade emocional, própria de momentos de amargura, desespero e dúvidas sobre o futuro. Essa carga é um desafio para o intérprete. Eu adoro esse concerto de Elgar por explorar o virtuosismo, o lirismo e a característica do instrumento de se aproximar tão bem da voz humana”.

Tchaikovski
Fechando a noite, a Sinfônica ainda trará o gênio do período romântico, Piotr Ilitch Tchaikovski (1840-1893), com a Sinfonia nº 1. “Celebramos os 180 anos do nascimento do autor. É importante a gente se lembrar disso ao mostrar a sua Sinfonia nº 1, Primavera”, diz Cohen.

“Será um prazer fazer este concerto em Brasília com uma das principais orquestras do país”, finaliza David a título de convite para o público fiel da OSTNCS.


Serviço

Carlos Gomes, Abertura da Ópera O Guarani

E.Elgar, Cello concerto

Solista – Marina Martins

Tchaikovski, Sinfonia nº 1

Maestro convidado, Leonardo David

Cine Brasília, Entrequadra Sul 106/107

Entrada franca por ordem de chegada até a lotação do espaço. Os portões são abertos às 19:15 para idosos e pessoas com deficiência e às 19:30 para o público em geral. O concerto começa às 20h.

Dúvidas e informações: 2017-4030