9/3/20 15:53
Atualizado em 9/3/20 às 15:55

Pediatria do HRT estimula crianças em atendimento a lerem

O Espaço Leiturinha torna a sala de espera um local diferente e ajuda pediatras a avaliar os aspectos do desenvolvimento delas, como a concentração

Esperar por atendimento médico em clínicas e hospitais, principalmente com crianças, pode ser uma experiência cansativa e estressante. Mas no ambulatório da Pediatria do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) esse momento é de aprendizado. A Pediatria do HRT criou o Espaço Leiturinha, que torna a sala de espera um local agradável, diferenciado e de estímulo à leitura.

Foto: Saúde/Divulgação

 “As crianças ficam ociosas esperando a consulta e os pais precisam distraí-las.  A iniciativa tem o objetivo de usar esse tempo de forma benéfica, diminuindo o tempo na frente das telas com o uso do celular. Ainda buscamos incentivar o hábito da leitura”, destaca a pediatra Fabrícia Rocha.

Enquanto aguardam ser atendidas, crianças e adolescentes são convidados a escolherem livros que sejam de seu interesse, com ou sem a participação de seus pais, para ler ou simplesmente folhear.

Esses livros geralmente acompanham os pacientes na consulta, trazendo calma para a criança e mais possibilidades de avaliação para os profissionais. É o caso do pequeno Arthur Miguel Santana (2). Ainda não sabe ler, mas com o livro em mãos aponta para as figurinhas e vai criando a história. Com isso a pediatra tem mais recursos para avaliar o pequeno.

“Elas ficam mais tranquilas na consulta. E o livro nos ajuda a avaliar os aspectos do desenvolvimento, como a concentração e o desenvolvimento neuropsicomotor de acordo com a faixa etária de cada uma”, ressalta a pediatra Fabrícia.

Acolhida

Foto: Saúde/Divulgação


O projeto oferece uma acolhida humanizada, lúdica, e incentiva crianças e adolescentes a lerem mais. É visível a satisfação das crianças ao se depararem com os livros. Manuseiam, brincam e compartilham histórias com curiosidade e atenção. 

Segundo depoimentos dos pais e responsáveis, a atividade é muito positiva, pois além de lúdica, incentiva a leitura e acalma a meninada no ato da espera.   

 “Acho bacana, ajuda a passar o tempo mais rápido. Sempre que ela vem para a consulta pede para ir ao cantinho da leitura. A leitura acalma a minha filha”, destaca a dona de casa Cleonice Ferreira, de 36 anos.

“Acho interessante, desperta a curiosidade da criança. Até os menores se distraem com as imagens”, pontua a operadora de caixa, Débora Rodrigues, de 29 anos.

O Espaço Leiturinha dispõe de livros infanto-juvenis que foram doados pelos profissionais, pela comunidade, e pelos próprios usuários. 

A orientação é que os livros sejam lidos e devolvidos, porém não é proibido levar para casa, já que a equipe da pediatria compreende que nem todos têm acesso aos livros.