31/3/20 14:39
Atualizado em 31/3/20 às 14:39

Provid: atendimentos seguem com adequações na quarentena

A maior parte das assistências são feitas por encaminhamentos do TJDFT, pelas varas de violência contra a mulher, que continuam funcionando de acordo com regras do próprio tribunal

Os atendimentos das demandas do Policiamento de Prevenção Orientada à Violência Doméstica e Familiar (Provid), da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), permanecem mesmo diante do cenário epidemiológico por conta do coronavírus. A atuação dos policiais segue orientações específicas da corporação para este período, tais como priorizar contato telefônico inicial e fazer os atendimentos presenciais do lado de fora da residência.

A maior parte das assistências são feitas por encaminhamentos do Tribunal  de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), pelas varas de violência contra a mulher, que continuam funcionando de acordo com regras do próprio tribunal. As ocorrências registradas pelo 190 também são monitoradas por equipes dos batalhões. Denúncias anônimas também são recebidas por meio dos telefones e e-mails das unidades.

“Estamos atentos a toda situação emergencial em que somos demandados. A corporação procurou adequar os atendimentos para o atual período. Nossos policiais estão orientados a fazer o contato telefônico inicial, como já faz parte de nosso protocolo, e, quando for necessário o presencial, entrar nas residências somente se necessário.  Grande parte de nossas visitas são feitas para mulheres, mas temos em nossa listagem outros públicos, como crianças, idosos”, explicou a coordenadora do programa, tenente Adriana Vilela.

“Buscamos promover Segurança Pública e direitos humanos por meio das atividades de polícia ostensiva direcionadas à prevenção e enfrentamento da violência doméstica, com utilização de metodologia própria, orientada pelos eixos de prevenção. Nosso trabalho permanece”, disse Vilela.

As demandas também chegam por meio do MPDFT, unidades dos Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), conselhos tutelares, delegacias especializadas, Núcleo de Atendimento às Famílias e Autores de Violência Doméstica (NAFAVD) e Defensoria Pública. As equipes que atuam no policiamento analisam cada situação, esclarecem e direcionam a vítima aos atendimentos específicos.

Priorizando a vida

O foco principal do Provid é atender demandas relacionadas à Lei Maria da Penha e casos de violência contra a mulher. Casos envolvendo crianças, adolescentes e idosos também fazem parte das demandas atendidas.
O Programa é uma estratégia de policiamento baseada na filosofia de polícia comunitária e atua no enfrentamento de conflitos que ocorrem no âmbito privado. Desta forma, busca prevenir, inibir e interromper o ciclo da violência doméstica e familiar, por meio do policiamento ostensivo e das visitas comunitárias.
*Com informações da SSP/DF