23/4/20 20:39
Atualizado em 23/4/20 às 20:42

Codeplan inicia a produção de boletins semanais sobre Covid-19

Em parceria com secretarias e órgãos, companhia realiza levantamentos e fornece dados necessários para auxiliar no gerenciamento da crise

A Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) começa a produzir, semanalmente, o Boletim Codeplan Covid-19, que reúne informações sobre os casos confirmados, projeções, situação dos leitos, fluxo de viagens, deslocamento de estudantes e trabalhadores, idosos e atividade econômica. A iniciativa faz parte de uma série de ações que a companhia vem realizando como integrante do Gabinete Especial de Combate ao Coronavírus, formado exclusivamente para pensar medidas a serem tomadas pelo Governo do Distrito Federal (GDF) no enfrentamento à pandemia.

Acesse aqui o Boletim Codeplan Covid-19 completo

O papel da Codeplan é fornecer dados e análises obtidos por meio de suas pesquisas e compilar as informações cedidas pelas secretarias e órgãos para auxiliar no gerenciamento da crise, além de acompanhar os impactos do coronavírus em diversos serviços e setores da sociedade.

A partir das informações da Secretaria de Saúde (SES), da Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob), do Departamento de Trânsito (Detran-DF), do Banco de Brasília (BRB), da Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF) e do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/DF), a Codeplan realizou levantamentos sobre a estrutura do sistema de saúde local e sobre o fluxo de veículos nas rodovias e de passageiros no transporte público da capital após a vigência dos decretos que suspenderam atividades educacionais, fechou estabelecimentos comerciais e determinou teletrabalho aos servidores públicos.

O presidente das Codeplan, Jean Lima, destaca a importância do trabalho em equipe. “Nós trabalhamos com base no que os secretários e demais representantes do GDF disponibilizam para que nós possamos realizar pesquisa. Estas parcerias são essenciais e é importante perceber o quanto os dados e as análises científicas podem contribuir em diversos momentos da sociedade local”, enfatiza.

Pesquisas

Cerca de 15 pesquisadores da Codeplan estão trabalhando com dados de pesquisas próprias e de outros órgãos locais para subsidiar a tomada de decisões do GDF. Tais dados são demandados pelo Gabinete Especial de Combate ao Coronavírus e também produzidos espontaneamente pela companhia.

Segundo a diretora de Estudos e Pesquisas Socioeconômicas, Clarissa Jahns Schlabitz, o boletim é uma pequena amostra dos levantamentos e monitoramentos que a Codeplan vem realizando ao longo desta crise. Para Clarissa, “o objetivo principal deste produto é oferecer dados e análises que possibilitem a tomada de decisão informada e racional, mitigando as incertezas, que são muitas no momento atual”.

Contribuições

Como exemplo de informações produzidas pela companhia que basearam medidas tomadas pelo Executivo local, destaca-se a de que quase 70% dos idosos residentes no Distrito Federal moram com outras pessoas não idosas. E a de que 37% da população idosa possui baixa possibilidade de isolamento, com mais de duas pessoas no mesmo dormitório, o que contribuiu para adoção do isolamento horizontal como combate à pandemia.

Com relação à estrutura do sistema de saúde local, o Distrito Federal contava com 4.306 leitos até a data do levantamento. A Região Central de Saúde – que compreende as regiões administrativas do Plano Piloto, do Lago Norte, do Cruzeiro, do Sudoeste/Octogonal e do Varjão – concentra o maior número de leitos (1.580), dos quais 176 foram criados especialmente para a Covid-19. A região leste de saúde contabiliza o menor número de leitos (239) e atende às regiões administrativas do Lago Sul, do Paranoá, do Itapoã, do Jardim Botânico e de São Sebastião.

O fluxo de passageiros que utilizam o transporte público da capital reduziu gradualmente após a vigência dos decretos de combate à pandemia. O levantamento da Codeplan mostra que, entre 10 de março de 14 de abril, o fluxo caiu 71% – queda de 1,4 milhão para 413 mil usuários em dias úteis. Na primeira semana (10 a 17 de março), com a suspensão das aulas, a redução no número de passageiros foi de 300 mil.

Na segunda semana (17 a 24 de março) houve a maior queda, cerca de 550 mil usuários a menos, devido a um ponto facultativo, ao estabelecimento do teletrabalho a grande parte dos servidores públicos e ao fechamento do comércio. Entre os dias 24 e 31 de março, o número de usuários chegou a 333 mil, mas passou a aumentar após as primeiras flexibilizações do decreto, quando cerca de 80 mil passageiros voltaram às suas rotinas nas duas primeiras semanas de abril.

O fluxo de veículos nas rodovias do Distrito Federal também caiu consideravelmente. Em 11 de março, data do primeiro decreto, mais de quatro milhões de veículos circulavam diariamente no DF. Em duas semanas a quantidade de veículos nas rodovias brasilienses era de 1,9 milhão.

No mês de abril, com a abertura de bancos, lotéricas e alguns setores do comércio, houve aumento na movimentação das estradas locais, chegando a 2,3 milhões de veículos no fim da primeira quinzena de abril. A taxa de isolamento social no DF, que começou a ser medida em 31 de março, teve seu maior alcance em 6 de abril (65%), após o decreto que prorrogou a quarentena no Distrito Federal.

 

* Com informações da Codeplan