24/4/20 19:28
Atualizado em 24/4/20 às 19:28

Missas, rituais e cultos liberados desde que realizados dentro de automóveis

Decreto também libera armarinhos, lojas de tecido e o Cine Drive-in

Cultos, missas e rituais de qualquer natureza religiosa estão liberados de acordo com o novo decreto assinado pelo governador Ibaneis Rocha  e publicado na edição suplementar do Diário Oficial do Distrito Federal desta sexta-feira (24). Mas com uma condição: os fiéis e participantes deverão assistir aos eventos dentro do carro.

No mesmo texto, o governador também determina que os donos de veículos que participarem de cultos, missas e rituais religiosos deverão respeitar a distância mínima do carro ao lado, que deve ser de dois metros.

A liberação ocorre justamente 45 dias após o primeiro decreto que proibia a reunião de público em templos religiosos ou eventos da mesma natureza.

No decreto (40.659) de hoje, o governador também permitiu a reabertura de armarinhos e lojas de tecido e do Cine Drive-in. Neste último caso, os cinéfilos frequentadores do cinema ao ar livre, espaço tradicional brasiliense, também deverão respeitar a distância de dois metros entre um carro e outro.

Quarentena

No dia 11 de março, o governador Ibaneis Rocha decidiu suspender por cinco dias as aulas em escolas públicas e privadas e aglomerações de pessoas em missas, eventos esportivos e shows.

Com a curva de contaminação por Covid-19 crescente, o chefe do Poder Executivo local estendeu o prazo de fechamento destes estabelecimentos por mais 18 dias, ou seja, até 5 de abril. Além disso, ele ampliou o número de estabelecimentos atingidos pela medida, como restaurantes, bares, lojas, salões de beleza.

Em 1º de abril, o governador ampliou o prazo da medida em mais um decreto. Mas a prorrogação da suspensão das atividades desses estabelecimentos foi feita de forma separada. No caso das aulas em instituições de ensino públicas e privadas, a medida vale até 31 de maio. Já com relação a eventos, parques, academias, restaurantes, bares e parte do comércio, o que incluíam as missas, cultos e reuniões religiosas, as restrições continuam até 3 de maio.