7/5/20 9:05
Atualizado em 7/5/20 às 9:17

Uso dos novos blocos na Papuda começa nesta quinta (7)

São 400 vagas para os internos diagnosticados com o vírus e para os recém-chegados ao sistema prisional, que ficarão em quarentena. Até o fim das obras, complexo terá mais 3,2 mil lugares

Os dois novos blocos dos novos Centros de Detenção Provisória (CDPs), que serão utilizados para tratamento e quarentena de presos durante a pandemia do novo coronavírus, começam a ser ocupados a partir desta quinta-feira (7). Desta forma, 400 vagas – 200 em cada – estarão disponíveis para serem utilizadas pela Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe). Os locais foram limpos, higienizados e todo mobiliário montado. 

A ocupação antecipada das novas instalações foi possível após tratativas com a empresa responsável pela construção. “Com os quatro novos CDPs, após a inauguração completa da obra, serão criadas 3,2 mil novas vagas. Serão 16 módulos de vivência mais modernos e com capacidade para 200 internos cada um. Por conta da proximidade de conclusão de toda a obra foi possível antecipar a utilização das dependências”, explicou o secretário de Segurança Pública, o delegado Anderson Torres.

Os reeducandos diagnosticados com o vírus – de todas as unidades prisionais e que não estejam graves – serão transferidos para um dos blocos. O deslocamento será feito pela Diretoria Penitenciária de Operações Especiais (DPOE), grupo de elite da Sesipe. 

“Vamos iniciar as transferências pela Penitenciária do Distrito Federal I (PDF I), onde há maior número de contaminados. Não ficará nenhum interno acometido pela doença, ou com suspeita, nos presídios. Esta é mais uma medida para conter a contaminação no ambiente carcerário”, explicou o subsecretário do Sistema Penitenciário, o delegado Adval Cardoso. 

Os novos blocos funcionarão com estrutura, viaturas, direção e recursos humanos próprios. Haverá escalas de plantão e servidores no horário de expediente, das 9h às 16h. Adval explica ainda que os policiais que atuarão nos novos blocos foram orientados quanto ao reforço das medidas de segurança, pois irão trabalhar em ambiente específico para o tratamento da Covid-19. 

“Eles deverão ter um cuidado ainda maior com a utilização dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e seguir de forma criteriosa os protocolos da Secretaria de Saúde – específicos para o ambiente penitenciário”, diz Cardoso. 

Para maior facilidade de limpeza e desinfecção, os colchões das equipes de plantão terão capas de couro. Outra medida importante é a desinfecção de pátios antes de serem utilizados. “Já adotamos a mesma medida nas demais unidades prisionais, mas teremos um cuidado ainda maior nos pátios dos novos CDPs”, explicou Adval. 

Novos presos
O outro bloco será destinado exclusivamente para a quarentena de presos que são transferidos para o Sistema Penitenciário semanalmente. Após a detecção dos primeiros casos de contaminação, o encaminhamento de presos da Divisão de Controle e Custódia de Presos (DCCP), da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), para o Sistema Penitenciário passou por adaptações – ocorre uma vez por semana, e não mais duas como antes. Nesta sexta-feira (8), será a primeira vez que os presos serão colocados no novo espaço. 

Todos são colocados em quarentena, que a partir da próxima semana passará a ter 21 dias e não mais de 14. O aumento do período faz parte de uma nova orientação da Secretaria de Saúde (SES).

30 mil máscarasserão entregues, por determinação do governador, Ibaneis Rocha, para servidores e apenados

Ao chegar, todos passarão por uma triagem, realizada por equipe composta por médicos, enfermeiros e outros profissionais da área, como já ocorre no Centro de Detenção Provisória (CDP) e Penitenciária Feminina do Distrito Federal (PFDF). Após o período, os presos serão realocados nas unidades prisionais e poderão ficar junto dos demais internos.

Semanalmente, o Sistema Penitenciário do DF recebe, em média, 130 presos. “Com as novas vagas, vamos utilizar uma logística ainda mais eficiente para que todos que já se encontram nos presídios não tenham contato com o vírus”, finalizou Adval.

* Com informações da SSP/DF