8/5/20 17:29
Atualizado em 8/5/20 às 17:29

Médicos do HRG são treinados para atendimentos do Coronavírus

Simulação ajuda na atuação dos profissionais em casos reais

Profissionais do Hospital Regional do Gama participaram de um curso específico focado em casos reais de pacientes com Covid-19, em três níveis – casos leves, semicrítico e crítico. O treinamento aconteceu com 26 médicos no Centro de Simulação Realística e Habilidades do Centro Universitário do Planalto Central Aparecido dos Santos (Uniceplac), parceiro na ação. O HRG é a unidade Hospital Escola referência para a faculdade.

A programação levou em consideração prontuários de pacientes e estudos clínicos já publicados, bem como os protocolos consolidados para a doença. Os profissionais foram estimulados a interpretar o paciente nesses três níveis de complexidade. Também receberam orientações e aperfeiçoamento para intubação e ventilação, paramentação e desparamentação em EPIs e outras atividades pertinentes à atuação clínica em emergência.

O treinamento seguirá em outras etapas e contemplará as equipes multidisciplinares que fazem parte do acompanhamento desse tipo de paciente. São enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, assistente social entre outros. Os servidores participaram mediante negociação de banco de horas, nenhum foi retirado da assistência em horário de trabalho.

O Gama está com 76 casos confirmados de Covid-19 e representa 3,7% de casos do DF. Segundo a diretora do HRG, Katymara Godoy, a equipe está sempre atualizando os protocolos e fluxos de atendimento. Ajuda, principalmente, na regulação dos pacientes do entorno. Atualmente, a unidade possui um bloco com 44 leitos totalmente separados para os pacientes com a doença. Assim que o paciente passa pela triagem e possui o quadro de síndrome gripal já é encaminhado para o local, deixando de ter contato com os pacientes da ala comum de espera do hospital.

“Todos os dias é um processo de atualização e buscamos estar alinhados com o que há de mais adequado para o tratamento e fluxos dos profissionais e pacientes no hospital. A parceria com a capacitação faz parte disso e acontece no momento de atuação real que os profissionais enfrentam no dia a dia. Estamos próximos dessa linha de frente que precisa de um treinamento específico e pontual. Sempre que possível, estamos adequando esse momento à nossa realidade”, destacou Godoy.

Segundo Leonardo Coelho, médico participante da atividade, o curso atendeu as expectativas, principalmente quanto à estrutura, que ele comparou à do Hospital Albert Einsten de São Paulo, que conheceu quando participou de curso pelo Ministério da Saúde com simulação realística. Afirmou ainda que este tipo de unidade é o que mais se usa para capacitação no mundo. É uma ferramenta essencial para o profissional em atividade, sendo a oportunidade que se tem de errar com o boneco e não com as pessoas.

“A educação continuada sempre será enriquecedora. Participamos de um cenário com um robô que vai desenrolando a situação e vamos desenvolvendo as ações. Depois somos avaliados e corrigimos os erros. A sala prática de intubação foi essencial por ser um procedimento bem frequente nesse tipo de paciente. Essa interação com a academia é uma ajuda mútua. Quanto mais tivermos treinados, podemos dar um atendimento melhor ao paciente como também aos acadêmicos de medicina quando voltarem. Inclusive, vou sugerir mais cursos”, afirmou Leonardo.

Parceria

O HRG é uma unidade registrada no Ministério da Saúde como uma referência em Hospital Escola na região. A parceria oficial com a Uniceplac vem desde 2002, quando a instituição se instalou no Gama. Desde então, o hospital abre as portas para receber os acadêmicos e a faculdade oferece contrapartidas como esse tipo de capacitação, se tornando assim uma troca de experiências e conhecimento.

Flávio Moura, coordenador do curso de Medicina, reforçou a importância da academia dentro do contexto hospitalar. Acredita ser uma rede que promove um ciclo virtuoso entre alunos, profissional e paciente. Além de levar a instituição para além do seu local físico, fazendo com que a comunidade entenda essa interação da faculdade e a região na qual está inserida.

“Tivemos através da portaria ministerial a autorização da colação de grau dos alunos que iam se formar, aproveitamos esse momento e promovemos o curso focado para a Covid-19, pois sabemos que estariam inseridos no contexto de atendimento à população. Ao todo, 54 participaram do treinamento. A Dra. Katymara interessou também e nos provocou para o treinamento dos médicos da instituição e houve uma construção conjunta focando mais na emergência. Ambos ganham muito conhecimento, pois é um intercâmbio de informação e mostra o tanto que a instituição pode contribuir com a comunidade local”, afirmou Flávio.

Sobre a situação da Covid-19 no DF, acesse: http://www.coronavirus.df.gov.br/

*Com informações da Secretaria de Saúde