14/5/20 19:13
Atualizado em 14/5/20 às 19:13

Com baixo índice de contaminação, Hran  treina servidores para evitar contágios

As ações são realizadas diariamente com objetivo de minimizar o número de servidores infectados

Por meio de educação continuada e permanente, a direção do Hospital Regional da Asa Norte (Hran) faz o possível para manter sua equipe longe do contágio pelo coronavírus. Os desafios são inúmeros, pois as recomendações são diferentes e atualizações das normas de segurança são constantes.

Mesmo sendo o hospital de referência nos atendimentos de Covid-19 e com todos os profissionais trabalhando na linha de frente, com contato direto de pacientes contaminados pelo coronavírus, as capacitações fazem a diferença.

A contaminação de profissionais de saúde no Hran é baixíssima, comparando com o perfil mundial. O caso mais grave foi de um enfermeiro que já se recuperou, fez a quarentena e retornou ao trabalho. Além dele, mais sete profissionais testaram positivo para a Covid-19 e foram afastados. Nesses outros casos, não há como comprovar que os profissionais foram contaminados durante o período de trabalho.

Atendimentos

 De 14 de abril a 13 de maio, foram internados 163 pacientes no Hran, transferidos 124, receberam alta domiciliar 129 e 16 óbitos, totalizando 432 atendimentos.

As capacitações diárias, com todas as equipes de profissionais sobre a maneira correta de se paramentar, desparamentar, os cuidados redobrados com a higienização das mãos e sobre o coronavírus fazem a diferença”, afirma o diretor do Hran, Ulysses de Castro.

Há escala semanal e plantão de dúvidas para auxiliar os servidores. Além disso, todos os protocolos estabelecidos pelo Plano de Contingência para o enfrentamento do coronavírus são seguidos.

“Estamos tendo cuidado redobrado com nossos servidores. Todas as equipes são capacitadas, até porque, não temos como parar. O nosso objetivo é sempre deixar o servidor preparado, já que vimos que a maioria de casos de profissionais infectados se dão na hora da desparamentação ou do uso de um ambiente coletivo como banheiros, refeitório”, explica.

De acordo com o diretor do Hran, o uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPIs), o respeito aos protocolos e as capacitações já realizados com os profissionais da unidade resultam na não contaminação por coronavírus.

“Capacitando os nossos profissionais corretamente damos segurança a eles, a seus familiares e aos pacientes também. Já contabilizamos mais de 100 treinamentos em menos de dois meses”, frisa. Ullysses destaca que todos os profissionais que fazem parte do grupo de risco para a Covid-19 estão fazendo o teletrabalho.

Geralmente, o Núcleo de Segurança do Paciente e o Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar fazem as capacitações in loco, nos diferentes setores do hospital  e nas unidades básicas de saúde , inclusive com produção de vídeos educativos na tentativa de minimizar o número de infectados.

 
Refeitório

 Com o objetivo de evitar a proliferação do coronavírus, foi feito o redimensionamento do refeitório do Hran. As mesas foram distanciadas e as cadeiras sinalizadas. Além disso, outras medidas foram adotadas de acordo com as recomendações do Conselho Federal de Nutrição (CFN) como, por exemplo, a retirada das toalhas das mesas e uma nova forma de servir as refeições.

*Com informações da Secretaria de Saúde