14/5/20 11:31
Atualizado em 14/5/20 às 16:45

Hran oferece telefone institucional a familiares de pacientes de Covid-19

Serviço faz parte de uma série de procedimentos focados no acolhimento familiar

 

Com foco no acolhimento, o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) oferece, a um familiar cadastrado no sistema, dois boletins diários com informações sobre o estado clínico do paciente de Covid-19 internado. Além disso, existe um telefone institucional para o qual a família pode ligar e informar a equipe sobre os medicamentos, doenças e demais dados do paciente.

“Todos esses instrumentos cumprem o objetivo da saúde pública do Distrito Federal, que é o de humanizar o atendimento, e isso se faz mais necessário agora, quando estamos enfrentando uma doença tão grave como a Covid-19”, afirma o secretário de Saúde, Francisco Araújo. “O Hran, como hospital de referência no tratamento da pandemia, precisa ter esses mecanismos para informar com rapidez e precisão a situação do paciente a seus familiares.”

Comunicação constante

Integrante do comando do gabinete de crise do Hran, o médico Ricardo Monteiro explica: “Temos uma equipe de médicos com algumas restrições ou que são do grupo de risco para Covid-19, por isso estão fazendo teletrabalho. Então, a nossa equipe de assistência repassa as informações clínicas dos pacientes internados para esses médicos, que ligam duas vezes ao dia para um familiar”.

Ricardo informa ainda que, em casos específicos, as equipes do hospital podem fazer chamadas de vídeo para a família do paciente. “É uma doença, que requer o isolamento sem nenhum tipo de visita”, lembra.

De acordo com o médico, em casos de óbitos, é solicitada a presença de um parente, que fica em uma sala externa onde recebe a notícia da morte e faz a identificação do paciente por meio de uma fotografia. O local possui uma equipe formada por um médico, assistentes sociais e um psicólogo para orientar e prestar assistência à pessoa que acabou de perder um ente querido.

“Não queremos que no DF aconteça como em outros estados, onde os familiares não conseguem saber notícias de seus parentes internados, e, muito menos, que os corpos fiquem amontoados”, destaca Ricardo. “Para isso, o Hran construiu uma sala de refrigeração específica para colocar somente os corpos das vítimas de coronavírus.”

* Com informações da Secretaria de Saúde (SES)