4/6/20 14:52
Atualizado em 4/6/20 às 16:27

Dispensa de licitação para hospital de campanha em Ceilândia

A unidade hospitalar terá capacidade para 60 leitos, sendo 20 de suporte avançado e 40 de enfermaria

Foi aberta, na edição extra do Diário Oficial do Distrito Federal desta quarta-feira (3), a dispensa de licitação para construção do hospital de campanha de Ceilândia que atenderá os pacientes da Covid-19. A unidade hospitalar terá capacidade para 60 leitos, sendo 20 leitos de suporte avançado e 40 leitos de enfermaria. A estrutura será erguida na QNN 27 Área Especial, com 2.115,72 m² e, quando entrar em operação, receberá pacientes no modelo “porta aberta”. No local também será possível realizar exames diagnósticos por imagem.

O terreno já foi vistoriado pela Secretaria de Saúde e a previsão é que a unidade fique montada por seis meses. Além da construção, a empresa que vencer a licitação emergencial deverá manter no local equipe técnica mínima durante toda a vigência do contrato, garantindo assistência técnica resolutiva imediata na ocorrência de falhas, panes ou sinistros em todos os sistemas que compõem a edificação, conforme normas vigentes. O valor estimado para a contratação é de R$ 15,9 milhões.

O secretário de Saúde, Francisco Araújo, reforça que a pasta e o governo do Distrito Federal (GDF) não têm medido esforços para conter o avanço do novo coronavírus (Sars-CoV-2) em Ceilândia e pede o apoio da população para vencer essa guerra. São várias estratégias conjuntas para combater a doença.

“Fomos os primeiros a decretar o isolamento social, ampliamos a capacidade de atendimento da rede pública, aumentamos os leitos de UTI, compramos equipamentos, medicamentos, insumos e agora vamos construir mais um hospital de campanha, numa região populosa e que apresenta um crescimento significativo dos casos de Covid-19”, acrescentou. Segundo o secretário, “o governador Ibaneis Rocha está atuando com rapidez, eficiência e transparência no combate a pandemia”.

Fluxo

O fluxo de atendimento em todo o DF está alinhado em todas as frentes de atendimento. As Unidades Básicas de Saúde são a porta de entrada e estão aptas a receber o paciente com sintomas leves de Covid-19. A população conta também com as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) para casos graves e emergenciais. O Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), referência no tratamento da Covid, recebe os pacientes que precisam de internação. Além desses suportes, a secretaria conta com a ação de testagem rápida para a Covid-19, que inclui os sistemas drive thru e itinerante. Servidores também estão sendo testados.

O GDF investe na estratégia de hospital de campanha para que não se esgote a capacidade de ocupação de leitos nas unidades hospitalares da rede pública. Também está ampliando o atendimento adequado com isolamento desses pacientes, evitando, assim, a contaminação cruzada. O primeiro Hospital de Campanha do Distrito Federal voltado à Covid-19 está montado no Estádio Nacional Mané Garrincha com 197 leitos, sendo 173 de enfermaria adulto, mais 20 de suporte avançado e quatro de emergência.

As medidas fazem parte do Plano de Enfrentamento à Covid-19 do Distrito Federal e combate à crise. Visam a adoção de providências materiais necessárias a assegurar a preservação da saúde e da vida humana, por isso é prevista a aquisição e a contratação de bens e de serviços de diversas naturezas de forma urgente pela Administração Pública Federal dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

Todas as aquisições seguem os parâmetros da Lei 13.979/20 que dispõe especificamente sobre medidas para o enfrentamento da emergência de saúde pública de importância nacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Dentre essas medidas encontra-se a flexibilização nas regras de aquisição e contratação de bens e de serviços destinados ao combate à crise.

*Com informações Agência Saúde