15/7/20 18:13
Atualizado em 15/7/20 às 18:13

Hran já fez 61 partos durante a pandemia de Covid-19

Unidade é referência no tratamento do coronavírus no Distrito Federal

Foto: Divulgação\Secretaria de Saúde
Junho foi o mês em que a unidade fez mais partos durante a pandemia. Foram 39, ao todo. Em maio, foram 15 partos; em abril, três; e, em março, quatro. Foto: Divulgação\Secretaria de Saúde

Desde o início da pandemia do novo coronavírus Sars-CoV-2, declarada em março de 2020 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o Hospital Regional da Asa Norte (Hran) já fez 61 partos em mães diagnosticadas ou com suspeita de Covid-19. A unidade é referência do tratamento da doença no Distrito Federal.

Ainda não existem comprovações de que a Covid-19 seja transmissível de forma materno-fetal (via sanguínea ou placentária). No entanto, o risco de contágio pode existir a partir da interação pós-parto entre a mãe e filho, bem como entre a equipe de profissionais que atuam na hora do parto.

“A equipe deve estar totalmente paramentada com os EPIs para se evitar algum contágio por gotículas de saliva ou demais resíduos corporais”, explica o pediatra do Hran José Marçal de Azevedo.

Além dos cuidados no momento do parto, a unidade também recomenda que o berço da criança seja mantido a pelo menos dois metros do leito da mãe. A genitora também deve higienizar as mãos e os braços no momento da amamentação, que deve ser feita de máscara.

Atendimentos

Junho foi o mês em que a unidade fez mais partos durante a pandemia. Foram 39, ao todo. Em maio, foram 15 partos; em abril, três; e, em março, quatro. Wanessa Silva Lima, 21 anos, foi uma das mães infectadas pelo vírus que fez o parto no hospital.

“Na hora do parto a equipe estava bem paramentada, eu tive que fazer com o respirador porque não conseguia respirar. Depois eu fui orientada a amamentar o meu neném depois de ir ao banheiro e lavar as mãos, os braços, o pescoço e o peito e, também, passar álcool. Eu tinha que amamentar ele de máscara e logo após tinha que passar o bebê para minha acompanhante”, explica Wanessa.

Além dos partos, a unidade também recebe crianças de até 28 dias de vida que já tiveram contato com o coronavírus. “Embora haja relatos de que algumas crianças podem desenvolver a doença de forma grave, de uma maneira geral a população pediátrica tende a ter menos sintomas da Covid-19, mas ela pode adquirir uma síndrome pós-infecção, que pode trazer algum agravamento para ela, como a vasculite, por exemplo”, explica.

Wanessa relata que seu filho também necessitou deste atendimento. “Com 17 dias meu neném teve febre. Voltei para lá, ele ficou três dias internado, fizeram os exames e não deu nada, mas eles continuam acompanhando. Até hoje, eles (a equipe do Hran) me mandam mensagens para acompanhar a situação dele”, afirma a paciente.

Os cuidados com os recém-nascidos no Hran, filhos de mães com suspeita ou com infecção confirmada por Covid-19 são os mesmos que os recomendados pelo Ministério da Saúde via portarias publicadas desde o início da pandemia do novo coronavírus.

São fornecidas as seguintes orientações à mãe: uso permanente de máscara; higienização de mãos (limpeza com água e sabão ou uso de álcool em gel 70%) antes e após o contato com o recém-nascido e manter o berço a dois metros de distância da própria cama.

Na alta hospitalar, as pacientes recebem a orientação de fazer isolamento por 14 dias e entrar em contato com a Unidade Básica de Saúde mais próxima para receber visita domiciliar.

Enfermagem obstétrica

As gestantes que não estão infectadas pelo novo coronavírus, mas que fazem parte da rede referenciada de atendimento emergencial obstétrica do Hran, devem procurar atendimento em algum hospital da rede de saúde do DF. Durante a pandemia, o pronto-socorro de Obstetrícia do Hran não atenderá pacientes que não estejam com a doença.

*Com informações da Secretaria de Saúde