23/7/20 16:16
Atualizado em 23/7/20 às 16:16

Vigilância Sanitária orienta rede hoteleira do DF

Hotéis, motéis e pousadas devem seguir norma técnica que especifica ações para evitar a transmissão do coronavírus nos estabelecimentos

 

Todos os hotéis, bem como os motéis do DF, devem cumprir as orientações de segurança  da cartilha | Foto: Divulgação / Agência Brasil

O “novo normal” de muitos setores da economia passa por uma série de recomendações de segurança sanitária que visam evitar a transmissão da Covid-19. Desde o início da pandemia, hotéis, motéis e pousadas do DF adotam os protocolos vigentes para o setor continuar funcionando de maneira a garantir a segurança de hóspedes e de toda a equipe de trabalho.

Para guiar a rede hoteleira, a Vigilância Sanitária, órgão vinculado à Secretaria de Saúde, publicou a Nota Técnica nº 39, que traz uma série de orientações a serem cumpridas pelos estabelecimentos do setor enquanto o período da pandemia perdurar.

Entre as diretrizes apresentadas no documento, há algumas que as pessoas já estão acostumadas a ver em outros lugares: manutenção do distanciamento social, aferimento de temperatura de funcionários e hóspedes, disponibilização de álcool gel.


Protocolos específicos

Algumas características específicas do setor geraram protocolos diferenciados, como treinamento para profissionais responsáveis pela limpeza de quartos, disponibilização de equipamentos de proteção individual (EPI) específicos para cada risco de exposição, adequação de áreas de alimentação para não gerar aglomeração de hóspedes e proibição de acesso a áreas de utilização comum. (Confira os detalhes no quadro abaixo)

Segundo a gerente de serviços de saúde da Vigilância Sanitária, Luciane Antunes, os hotéis, motéis e pousadas do DF se mostraram atentos às recomendações e aos procedimentos de segurança sanitárias propostos pelo GDF. “Nós fomos a todos os estabelecimentos da rede, realizando um trabalho educativo e divulgando a nota técnica”, conta. “Em muitos que visitamos, as normas já estavam implementadas”.

Assim como vem acontecendo em todo o setor produtivo do DF, a rede hoteleira também é alvo de fiscalizações por parte da força-tarefa do GDF para determinar se estão sendo cumpridos os protocolos sanitários. “Por ser uma questão de saúde pública muito delicada, se verificarmos que o estabelecimento não está seguindo as normas, já emitimos auto de infração e interdição”, alerta Luciane.

Setor atento

Para o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (Sindhobar-DF), Jael Antônio da Silva, os protocolos são respeitados pelos estabelecimentos porque são frutos de um diálogo consistente entre o setor e o GDF. “[O documento] contemplou tudo o que tínhamos discutido”, avalia. “Já tínhamos colocado [as regras em prática] de forma a participar desse processo com responsabilidade para reabertura para evitar contaminação por aglomeração”.

A secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, ressalta que é fundamental o setor hoteleiro do DF manter o respeito aos protocolos sanitários, principalmente entre seus funcionários, para gerar confiança aos hóspedes. “Só conseguimos transmitir segurança se os colaboradores se sentirem seguros e aptos a poder implementar as medidas para a clientela”, pontua.

Arte: Agência Brasília