7/12/20 19:46
Atualizado em 7/12/20 às 19:48

Mais de 1,4 milhão de imóveis inspecionados de janeiro a novembro

Conduzidas pela Saúde, ações de combate ao Aedes aegypti foram feitas durante todo o ano

Foram encontrados focos de dengue em 144.411 imóveis | Foto: Breno Esaki / Agência Saúde

As ações de combate à dengue não param no Distrito Federal. Com o objetivo de reduzir a proliferação do Aedes aegypti, a Vigilância Ambiental efetuou, de janeiro a novembro de 2020, a inspeção de 1.410.670 imóveis. Deste total, 46.521 unidades foram tratadas.

Além disso, foram encontrados focos de dengue em 144.411 imóveis. Estavam fechados ou recusaram a inspeção um total de 132.326.

Quase 2 milhõesde depósitos inspecionados pela Vigilância Ambiental

A Vigilância Ambiental inspecionou 1.910.745 depósitos. Destes, 786.680 foram tratados e 359.931 foram considerados positivos. Também foram coletadas 493.923 amostras com larvas do mosquito.

“As inspeções diárias são de extrema importância para combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti e reduzir os casos de dengue. Realizamos ações diariamente nas residências e depósitos do DF. Já nos pontos estratégicos, que são os locais com maior incidência de contaminação, as vistorias ocorrem quinzenalmente e sempre é utilizada a borrifação com UBV costal”, explica o diretor de Vigilância Ambiental, Edgar Rodrigues.

A Secretaria de Saúde leva a campo, ao longo de todo o ano, diversos tipos de medidas preventivas. Por exemplo, vigilância constante, controle larvário, ações educacionais, controle da população de mosquitos, assistência aos casos prováveis, encaminhamento de diagnósticos laboratoriais, tratamento de pacientes e recuperação do imóvel contaminado.

Engajamento popular é fundamental no combate ao Aedes aegypti, lembra secretaria | Foto: Breno Esaki / Agência Saúde

De acordo com o gerente de campo de vetores e animais peçonhentos da Vigilância Ambiental, Reginaldo Braga, os depósitos predominantes do mosquito são: tambores, caixa d’água, tonéis, vasos de plantas, pratinhos, recipientes de degelos, bebedouros de animais e restos de material de construção.

Em decorrência disso a Diretoria de Vigilância Ambiental orienta que toda a população tire dez minutos por semana para inspecionar seu quintal e possíveis áreas que podem acumular água parada.

“Com o aumento das chuvas, a preocupação cresce, pois facilita a proliferação do mosquito. Por isso é importante verificar todos os locais, garagens, jardins, plantas que acumulam água e calhas”, destaca.

O engajamento da população é fundamental no combate ao Aedes aegypti. A principal forma de se prevenir contra as doenças transmitidas pelo mosquito é manter o monitoramento constante nas residências, sempre buscando evitar água parada, o que coíbe a proliferação do inseto.

Veja como fazer a sua parte no combate ao mosquito:

 

* Com informações da Secretaria de Saúde