10/12/20 10:42
Atualizado em 10/12/20 às 10:42

Brasília Ambiental: pioneiro em aderir ao Programa Brasil MAIS

Autarquia está entre as primeiras do país a acessar o novo sistema de sensoriamento remoto

O Brasília Ambiental é o primeiro órgão do Distrito Federal a obter acesso ao Programa Brasil MAIS (Meio Ambiente Integrado e Seguro), criado para auxiliar os estados no monitoramento de crimes ambientais. O Instituto também está entre os três primeiros órgãos públicos do país a aderir ao programa federal que utilizará satélites com resolução sete vezes melhor que as tecnologias atuais.

Com o objetivo de conter desmatamento e queimadas em todo o território nacional, o Brasil MAIS é um importante aliado dos órgãos que atuam na proteção do meio ambiente.

“A plataforma vai permitir que o Brasília Ambiental possa dar continuidade as suas atividades de monitoramento, mas com melhor qualidade das imagens diárias e alertas de detecção de mudança de áreas alvos, facilitando a identificação dos espaços afetados”, explica o chefe substituto da Unidade de Tecnologia e Gestão de Informações do Instituto (Ugin), Luiz Aguiar.

Segundo Aguiar, o sistema disponibilizado pela Polícia Federal pratica o mesmo conceito já adotado pelo Brasília Ambiental em contrato anterior. A adesão ao programa também representa a economia de recursos públicos. “Mas as ações de monitoramento em parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública serão muito positivas para o nosso trabalho”, completa.

Geotecnologia

Instituído pela Portaria nº 535/2020, o Programa Brasil MAIS é um dos projetos estratégicos do Ministério da Justiça cujo objetivo é promover a aplicação da geotecnologia em apoio às funções de segurança pública, polícia judiciária, administrativa e demais atividades de Estado.

Além de monitorar crimes ambientais, também facilitará a identificação de aeroportos clandestinos.

A adesão ao novo programa já está disponível para órgãos federais, estaduais e municipais, assim como para todos os integrantes do Sistema Único de Segurança Pública (SUSP).

* Com informações do Brasília Ambiental