23/12/20 17:20
Atualizado em 23/12/20 às 17:24

Fotógrafo Luis Humberto é homenageado no 53º Festival de Cinema

Formado em Arquitetura pela antiga Universidade do Brasil, atual UFRJ, ele é um dos fundadores da UnB, onde ajudou a criar o Instituto de Fotografia

Fotógrafo também foi homenageado na edição 52 do FBCB, no ano passado, com o curta-metragem documental “Luis Humberto: O Olhar Possível” | Foto: Zuleika de Souza, cortesia para a Secec-DF

Além de render tributo à atriz Nicette Bruno, vitimada pela Covid-19 no último domingo (20), e ao diretor artístico do 53º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Silvio Tendler, a cerimônia de premiação do evento homenageou o fotógrafo Luis Humberto, após o anúncio dos vencedores, no canal da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF (Secec-DF) no YouTube. Com mais de 50 anos dedicados ao universo da fotografia, Luis Humberto acompanhou os bastidores da política em Brasília – o que se convencionou chamar de “liturgia do poder” – desde a ditadura militar (1964-1985).

Formado em arquitetura pela antiga Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Luis é um dos fundadores da Universidade de Brasília (UnB), onde também participou da criação do Instituto de Fotografia e lecionou por muitos anos.

Até consagrar-se com um dos mais importantes nomes do fotojornalismo nacional, sua carreira começou por um motivo peculiar: o nascimento de seu primeiro filho. “Ser fotógrafo é ser investigador do mundo. Fotografia é feito poesia: tem que sentir. Você olha e dá uma respirada contemplativa”, ensina.

“Ser fotógrafo é ser investigador do mundo. Fotografia é feito poesia: tem que sentir. Você olha e dá uma respirada contemplativa”Luis Humberto, fotógrafo

Após perder o emprego, em 1965 – em consequência do golpe militar, quando pediu demissão juntamente com outros 200 professores –, Luis mergulhou no mundo da fotografia e foi contratado pela Editora Abril em 1968. O fotógrafo tem fotos registradas em suas passagens pelas revistas Realidade, Veja e IstoÉ, e também atuou no Jornal de Brasília.

Paralelamente ao fotojornalismo, Luis Humberto ainda registrou a flora do Cerrado, trabalhou com paisagens domésticas e realizou outros projetos pessoais. No ano passado, o curta-metragem documental em sua homenagem, “Luis Humberto: O Olhar Possível” integrou a programação do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.

O artista continua a sua produção com vitalidade, criatividade e a habitual inquietude mesmo depois de ter desenvolvido a Doença de Parkinson, que provoca dificuldades motoras, entre outros problemas.

 

* Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa