21/1/21 19:12
Atualizado em 21/1/21 às 19:12

DF recebe programa de pré-incubação de ideias

Projeto é uma parceria da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF) e a Finatec, com apoio da UnB e do IFB, que cederão os espaços

O ecossistema de inovação do Distrito Federal e entorno irá receber um novo programa de pré-incubação para ajudar futuras startups a desenvolver e colocar todas as suas ideias no papel. O projeto é fruto de uma parceria entre a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF) e a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), com apoio da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Federal de Brasília (IFB). O programa será sediado em quatro espaços de cocriação nestas instituições de ensino.

Esses espaços, chamados de Cocreation Lab, foram idealizados pelo professor de design Luiz Salomão Ribas Gomez, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e rapidamente ganharam adeptos no Sul graças ao modelo inovador e à metodologia híbrida utilizada. Por meio de editais, qualquer pessoa pode inscrever sua ideia e, sendo selecionada, participa gratuitamente de mentorias com profissionais do mercado, palestras e seminários. Há, ainda, a possibilidade de networking com outros cocreators, tudo ao longo de cinco meses. Em Santa Catarina, a iniciativa tem apoio de parceiros como o Sebrae, universidades, entidades empresariais, Governo do Estado e prefeituras. No total, há 19 espaços em atividade e cerca de 400 projetos em fase de ideação no País.

Foto/Divulgação
Os espaços, chamados de Cocreation Lab, foram idealizados pelo professor de design Luiz Salomão Ribas Gomez, da Universidade Federal de Santa Catarina, e ganharam adeptos no Sul graças ao modelo inovador e à metodologia híbrida utilizada | Foto/Divulgação

No DF, dois polos de Cocreation Lab estarão localizados na UnB – um no campus Darcy Ribeiro e outro no campus FGA. Outros dois ficarão nos campi do IFB – em Samambaia e São Sebastião. Espera-se que esses espaços mobilizem as pessoas do Distrito Federal e entorno, aproximando-as do ecossistema de inovação da região e impulsionando seu potencial em inovação e economia criativa. Na primeira etapa do projeto, prevista ainda para o início de 2021, professores das instituições de ensino superior e a comunidade empreendedora irão receber informações e treinamento sobre o programa. Só depois disso será iniciada a inscrição e seleção dos projetos. Todas as mentorias e trabalhos utilizam a metodologia TXM, um modelo híbrido que une encontros presenciais e plataforma digital.

Dados do Mapeamento da Economia Criativa no Brasil, levantamento feito pela Federação da Indústria do Rio de Janeiro (Firjan), indicam que o segmento movimentou R$ 171,5 bilhões em 2017, o equivalente a 2,61% do PIB brasileiro, e gerou 837 mil postos de trabalho em todo o País. Caracterizada por atividades em áreas tão distintas quanto a música, a moda, a propaganda, a tecnologia e a biotecnologia, a chamada “indústria criativa” garante salários médios de R$ 6,8 mil, patamar bastante superior aos R$ 2,7 mil médios do mercado de trabalho nacional.

No Distrito Federal, o setor responde por 3,1% do PIB local e gera empregos com remuneração média pouco superior a R$ 9 mil. No total, porém, há apenas 21 mil pessoas empregadas na indústria criativa do DF (1,7% do total), número bastante inferior ao registrado em São Paulo (328 mil), Rio de Janeiro (88,8 mil), Minas Gerais (72,4 mil) ou Santa Catarina (47,2 mil).

No DF, dois polos de Cocreation Lab estarão localizados na UnB – um no campus Darcy Ribeiro e outro no campus FGA. Outros dois ficarão nos campi do IFB – em Samambaia e São Sebastião. Espera-se que esses espaços mobilizem as pessoas do Distrito Federal e entorno, aproximando-as do ecossistema de inovação da região e impulsionando seu potencial em inovação e economia criativa

Inovação na pandemia

Vários negócios bem sucedidos saíram do Cocreation Lab. Um deles é a startup Agendaki, incubada na unidade de São José (SC), que criou um aplicativo para ajudar o varejo a controlar o fluxo de pessoas em tempos de pandemia. Em três meses, a ideia já foi testada e conseguiu investimento de uma grande empresa para escalar a solução.

O Cocreation Lab possui mais de 200 mentores, dentre eles os que formam o time principal e mentores especializados no campo de atuação da ideia pré-incubada, sendo eles professores, empresários, donos de startups e profissionais consolidados no mercado. Cada projeto recebe um mentor individual de acordo com o campo de atuação e necessidade para o desenvolvimento da ideia.

Foto: Divulgação
O Cocreation Lab é uma pré-incubadora que ajuda empreendedores a transformarem ideias em realidade. O programa oferece cinco meses de mentorias, palestras, workshops e networking, em encontros presenciais e pela plataforma da metodologia TXM Business | Foto: Divulgação

Sobre o Cocreation Lab

O Cocreation Lab é uma pré-incubadora que ajuda empreendedores a transformarem suas ideias em realidade. O programa oferece cinco meses de mentorias, palestras, workshops e networking, em encontros presenciais e também pela plataforma da metodologia exclusiva TXM Business, idealizada pelo professor de Design da UFSC e fundador do Cocreation Lab, Luiz Salomão Ribas Gomez.

A pré-incubadora está presente em 18 cidades catarinenses e, em 2020, mais de 370 projetos foram pré-incubados em formato híbrido só em Santa Catarina. Com a eficiência da metodologia, outras cidades e estados como São Paulo (capital), Minas Gerais, Espírito Santo e o Distrito Federal mostraram interesse em adotar a metodologia única do Cocreation Lab.

Desde a fundação, já passaram pelo Cocreation Lab várias startups de sucesso, entre elas a Smart Tour Brasil, iniciativa que visa a criação de rotas turísticas inteligentes com uso de tecnologia que conquistou o Prêmio Nacional do Turismo 2019 na categoria Inovação Tecnológica; o Guia Manezinho, que desenvolveu uma metodologia de “walking tour” diferenciada e foi vencedor no mesmo prêmio, na categoria Micro e Pequenos Empreendedores; e o Benvou, plataforma que permite agendar serviços de saúde física e mental por meio de um aplicativo.

 

*Com informações da FAP-DF