1/6/21 12:16
Atualizado em 1/6/21 às 19:04

Canteiros do Jardim Botânico ganham nova vida com reformas  

Mutirão removeu ervas daninhas e adicionou composto orgânico e palha de arroz seca; parceria permitiu a aquisição de novas mudas

No Jardim Botânico de Brasília (JBB), tem sido intenso o movimento de renovação dos espaços destinados ao cultivo e conservação das espécies vegetais. Um dos locais a receber esses serviços foi o Jardim de Cheiros, também conhecido como Jardim Sensorial.

Também conhecido como Jardim Sensorial, o Jardim dos Cheiros foi alvo de intenso trabalho | Foto: Divulgação/JBB

Um mutirão atuou nos canteiros do local, que teve toda a pintura renovada. As equipes também retiraram ervas daninhas, adicionaram um composto orgânico adquirido em parceria com o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) e cobriram o solo com palha de arroz seca, para proteger e manter a umidade.

E as melhorias não param por aí. Em parceria com a Escola Americana de Brasília, foram adquiridas cerca de 900 mudas de espécies aromáticas, alimentícias e medicinais, como alecrim, arnica, arruda, bálsamo, cânfora, capuchinha, carqueja, cavalinha, erva-doce, guiné, malva-rosa, menta, mil-ramas, peixinho, manjericão-verde e manjericão-roxo, entre outras.

“As plantas ativam a nossa visão com as flores, folhas e formatos, mas não é apenas isso: elas também aguçam os outros sentidos Aline De Pieri, diretora executiva do Jardim Botânico

Parcerias

Outra parceria importante foi fechada pelo JBB, desta vez com a Associação dos Produtores do Lago Oeste (Asproeste). Para deixar o Jardim de Cheiros ainda mais atraente, o JBB trocou mudas nativas produzidas no Viveiro Jorge Pelles por espécies aromáticas e medicinais do viveiro da Asproeste. Por meio dessa permuta, o JBB doou mudas de aroeira-branca, aroeira-pimenteira, tamboril, pau-jacaré, jacarandá-mimoso, angico-branco, jerivá e grão-de-galo e recebeu patchuli, hortelã-grossa, limonete e melissa.

As espécies raras e cultivadas há bastante tempo no Jardim de Cheiros, como santolina, pimenta-do-reino, guaco, baunilha-do-cerrado e coentro-do-mato, foram preservadas durante o manejo. Os canteiros foram decorados pela artista plástica Lucy Aguirre, junto à equipe de educação ambiental do JBB.

A diretora executiva do JBB, Aline De Pieri, reforça a importância dos trabalhos executados no Jardim de Cheiros. “As plantas ativam a nossa visão com as flores, folhas e formatos, mas não é apenas isso: elas também aguçam os outros sentidos”, explica. “No Jardim de Cheiros, os visitantes têm a oportunidade de interagir com o meio-ambiente e promover o equilíbrio como forma de terapia e aprendizado”.

Jardim de Cheiros

O Jardim de Cheiros ou Jardim Sensorial foi concebido para incentivar a interação dos visitantes com a natureza, por meio do estímulo dos cinco sentidos. Abriga coleções de plantas organizadas por suas características medicinais, aromáticas e condimentares, sendo um espaço lúdico e didático de fortalecimento ao programa de educação ambiental do JBB.

Seus canteiros formam um desenho de linhas sinuosas, em perfeita harmonia com o ambiente. O local proporciona múltiplas intervenções pedagógicas em um percurso sensorial: a descoberta de sabores, cheiros e texturas, que muitas vezes surpreendem o visitante, trazendo-lhe à memória lembranças há muito tempo adormecidas.

O Jardim Botânico abre para visitação pública de terça-feira a domingo, inclusive aos feriados, das 9h às 17h. O público deve respeitar o distanciamento social e a obrigatoriedade do uso de máscaras. A direção lembra que é proibido extrair madeira e coletar plantas, frutos, sementes, mudas ou qualquer tipo de material botânico, mesmo os que estão no chão.

*Com informações do Jardim Botânico de Brasília