24/7/21 16:30
Atualizado em 24/7/21 às 22:39

Catálogo valoriza o feminino e diz não à violência

Iniciativa de professores da rede pública oferece material para que o tema seja abordado ao longo do ano letivo

O fato de conviver desde a infância em uma família majoritariamente composta por mulheres negras impactou o futuro da professora Rayssa Carnaúba. “Sempre questionei os papéis que me eram impostos e passei a reagir”, explica. A indagação se aprofundou ao lidar com diversas adolescentes grávidas em Santa Maria, onde lecionou.

“Percebia que a gestação comprometia o futuro dessas meninas e que havia muita indiferença quanto a isso”, lembra. Tal preocupação resultou em um mestrado que abordou a gravidez na adolescência e fez com que a profissional se apaixonasse de vez pela luta em prol dos direitos femininos.

Segundo Andressa Marques, a educação constrói percepções nos estudantes como a de que a vida em sociedade requer o respeito às diferenças | Fotos: Robson Dantas/Secretaria de Educação

Acreditando que a educação pode contribuir para a equidade de direitos e prevenção à violência contra meninas e mulheres, Rayssa articulou-se com outros professores e elaborou o Catálogo com referências e materiais pedagógicos: valorização das meninas e mulheres e enfrentamento às violências 2021.

O podcast EducaDF desta semana apresenta o catálogo, que oferece um conjunto de referências e materiais pedagógicos para os professores. O objetivo é possibilitar que eles tratem de temas como a valorização da mulher e o combate à violência em sala de aula. Confira o episódio nas plataformas de áudio.

Plantando novas práticas

O catálogo faz parte da Política de Valorização das Meninas e Mulheres e Enfrentamento às Violências da Secretaria de Educação. Reúne a legislação e normas que orientam o tema nas escolas públicas. Traz também um apanhado com as principais ações já desenvolvidas pela pasta, além de um compilado de filmes, músicas, documentários e obras sobre o tema.

Assim como Rayssa, a professora Isadora Oliveira, também uma das autoras do catálogo, acredita que o material pode ajudar os profissionais da educação a trabalhar com essa temática ao longo de todo ano. Desde 2017, Isadora desenvolve o projeto Entre Elas, que funciona como uma ferramenta na rede de proteção às estudantes.

Publicação estimula a valorização de meninas e o combate à violência contra a mulher

A iniciativa ganhou dois prêmios: Conectando Boas Práticas, da Fundação Lemann, e o Prêmio Maria da Penha vai à Escola, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT).

No momento, o projeto se encontra em fase de expansão e transformação em política pública e durante a pandemia foi realizado de maneira híbrida.

Direitos femininos na escola

Para a professora Andressa Marques, que pesquisa autoras negras na literatura, o catálogo possibilita “a construção de uma sociedade mais igualitária, na qual o ser humano consiga respeitar o outro e compreender de maneira ética e crítica qual é seu papel na interação social”, destaca.

Nascida em uma família modesta, a mãe sempre incentivava Andressa a estudar e ser dona de suas próprias escolhas. “Ter liberdade econômica, por exemplo, não fazia parte da realidade de outras gerações de mulheres. Muitas ficaram restritas ao espaço doméstico e não conseguiam alçar novos voos por conta das limitações. A educação possibilita novas perspectivas às mulheres”, finaliza.

* Com informações da Secretaria de Educação