13/8/21 10:25
Atualizado em 13/8/21 às 10:25

Mulheres da área rural aprendem a arte de cultivar suculentas

Emater-DF de São Sebastião ensinou mulheres a produzir, cultivar e comercializar a planta

Na Semana Distrital da Mulher Trabalhadora Rural, o escritório da Emater-DF em São Sebastião aproveitou para realizar uma Oficina de Suculentas e levar informações sobre o cultivo e a comercialização da planta a produtoras rurais do Assentamento 1º de Julho. Com escassez de água para cultivos que demandam irrigação constante, a planta, que tem se tornado queridinha no campo e na cidade, atraiu a atenção das mulheres por ser uma opção de fácil cultivo e que demanda pouco recurso hídrico.

A oficina foi realizada na propriedade da produtora Raimunda Ribeiro, que também vive no assentamento. Acompanhada pela Emater-DF desde 1992, ela já cultivava algumas suculentas, mas ainda não comercializava. Foi em uma das visitas da empresa à produtora, que a gerente do escritório local da empresa na região, Maíra Trindade, acompanhada de outras extensionistas, percebeu a aptidão dela para o cultivo de plantas. Diante do potencial do mercado, resolveram incentivar a produção para comercialização.

“A Raimunda relatou para a gente que já tinha tentado mexer com plantas ornamentais e flores, mas tinha problemas de falta de água”, contou Maíra, que também explicou que a ideia foi impulsionada pela necessidade de incremento de renda para as mulheres da região, diante da dificuldade com outros plantios. De acordo com ela, um segundo módulo da oficina será realizado no próximo mês para transplantar as mudas do berçário e avaliar o resultado da primeira etapa.

Cactos e suculentas são plantas que se adaptam bem em regiões com pouca água e têm boa saída em pontos de comercialização como feiras e mercados | Foto: Emater-DF

O coordenador de Floricultura da Emater-DF, Carlos Morais, ministrou a oficina e ensinou questões como quais materiais usar para fazer substrato, quais substratos podem ser utilizados da própria terra, como fazer berçário de mudas, exigências hídricas para as plantas, quais potes são utilizados, qual o comportamento de mercado e retorno financeiro a comercialização pode gerar, como fazer transplantio de mudas e como cultivar uma matriz. Na prática foi ensinado como cultivar suculentas e cactos.

Empolgada com o aprendizado, Lidia da Silva, 33 anos, mãe de dois filhos, afirmou que vai apostar na planta. “Já comprei vasos para fazer as mudas para vender. Já tenho mais de 15 variedades de suculenta. Estou animada e querendo conseguir ter uma renda vendendo essas plantas.”

Cactos e suculentas são plantas que se adaptam bem em regiões com pouca água e têm boa saída em pontos de comercialização como feiras e mercados. A Emater-DF capacita e orienta os produtores sobre os critérios que envolvem desde a organização da propriedade, aspectos ambientais, práticas conservacionistas, plantio e classificação para venda.

Com quatro filhos, Jéssica Costa, 33 anos, ficou animada com a perspectiva de comercialização. “Eu penso até em montar um viveiro e viver desse cultivo. Eu aprendi muita coisa no curso. Eu ainda não comercializo, mas pretendo entrar nessa produção”, disse. Vander Azevedo, 46 anos, quando soube da oportunidade, logo se candidatou para participar. “Vou fazer um viveiro para produzir suculentas. Além de dar renda, é fácil de plantar e de cuidar”, contou.

* Com informações da Emater-DF