Fale com o Governo Ações em Destaques

3/12/21 às 13:18, Atualizado em 3/12/21 às 18:18

GDF contrata 966 agentes e reforça combate à dengue

Índice de casos da doença no Distrito Federal em 2021 caiu 70% no comparativo com 2020; iniciativa requer a parceria de toda a população

Hédio Ferreira Júnior, da Agência Brasília | Edição: Chico Neto

A volta das chuvas acende o alerta para que a Vigilância Sanitária intensifique as ações de combate à dengue em Brasília. Atento a esse período em que os ovos do mosquito transmissor da doença em contato com a água limpa e parada se desenvolvem, proliferando o nascimento de novos insetos, o Governo do Distrito Federal (GDF) deu posse, nesta sexta (3), a 966 agentes de saúde. A contratação ocorreu durante o lançamento da Campanha Distrital de Enfrentamento do Aedes aegypti, no Setor Militar Urbano (SMU).

“A prevenção esvazia os hospitais, as unidades de pronto atendimento e as unidades básicas de saúde. Essa é a ideia” Governador Ibaneis Rocha

Quinhentos agentes de vigilância ambiental (AVAs) e 466 agentes comunitários de saúde (ACSs) já começaram a ser treinados para sair às ruas e manter a queda dos índices de proliferação da dengue, já que as ações de combate ao mosquito Aedes aegypti não cessaram durante a pandemia. Entre janeiro e meados de novembro deste ano, foram notificados 13.382 cidadãos infectados pelo mosquito – uma redução de 70%, no comparativo com o mesmo período de 2020, quando foram registrados 46 mil casos.

“No primeiro ano de governo tivemos um número assustador de casos de dengue”, declarou o governador Ibaneis Rocha durante a assinatura do termo de posse dos novos agentes. “Conseguimos reduzi-lo, e o que esperamos com a contratação de vocês é diminuí-lo ainda mais, chegando à normalidade. A prevenção esvazia os hospitais, as UPAs [unidades de pronto atendimento] e as UBSs [unidades básicas de saúde]. Essa é a ideia.”

Os contratos dos agentes de vigilância ambiental têm vigência de um ano, podendo ser prorrogados por mais um. Serão eles os responsáveis por vistoriar os imóveis do DF e atuar também nas demais atividades da Vigilância Ambiental. Já os ACSs foram contratados por meio de um processo seletivo temporário para reforçar as equipes que atuam em todas as sete regiões de Saúde.

Durante a solenidade de posse, o secretário de Saúde, Manoel Pafiadache, destacou as ações conjuntas de controle sanitário do governo | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Há no DF 605 equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF) distribuídas em 176 UBSs. A chegada dos novos profissionais completa as 90 equipes que estavam sem agentes. Eles foram lotados conforme a necessidade de cada região e de cada área territorial, de acordo com o local de abrangência das equipes de Saúde da Família.

Dengue e outras doenças

“Por mais que façamos a visita, é importante que as pessoas sejam conscientes e façam o trabalho preventivo dentro de casa” Gabriela Pereira Oliveira, agente recém-empossada

Os agentes comunitários de saúde atuam em parceria com os de vigilância ambiental no combate às chamadas arboviroses – dengue, zika e chikungunya, transmitidas pelo Aedes aegypti. Trabalham também no cadastramento das famílias para atendimento da equipe de ESF e fazem busca ativa das pessoas que ainda não se vacinaram contra a covid-19 e outras doenças.

De acordo com o secretário de Saúde, Manoel Pafiadache, a queda dos índices se justifica pelo reforço das ações de controle sanitário do governo e da compreensão da população em não deixar água parada para a proliferação do mosquito. Segundo ele, os novos agentes atuarão não só no enfrentamento e combate à dengue, mas também no processo vacinal contra o novo coronavírus. “Aí está a importância da chegada dos senhores nesse momento tão difícil”, reforçou.

Gabrielle Pereira Oliveira, 21 anos, mora no Paranoá e estreia profissionalmente como agente de Vigilância Ambiental. Dizendo-se feliz com a oportunidade, ela contou que, em uma semana em campo, já foi possível coletar focos do mosquito, daí a importância de reforçar entre a população os cuidados básicos para que a disseminação seja impedida. “Por mais que façamos a visita, é importante que as pessoas sejam conscientes e façam o trabalho preventivo dentro de casa”, recomendou.

Os principais criadouros do mosquito Aedes aegypti continuam sendo encontrados nos quintais em baldes sem tampa, vasilhas, pratos de plantas, pneus, calhas entupidas e caixas-d’água destampadas. Por isso, não se pode descuidar da atenção a esses pequenos reservatórios. É importante que toda a população tire 10 minutos por semana para inspecionar o quintal e possíveis áreas que possam acumular água.

 

Últimas Notícias