Fale com o Governo Ações em Destaques

10/1/22 às 15:08, Atualizado em 10/1/22 às 21:18

Zoonoses tem animais disponíveis para adoção

Cães e gatos já estão examinados, vermifugados e vacinados, prontos para fazer parte da sua família

Agência Brasília* I Edição: Débora Cronemberger

Já imaginou começar o ano com uma nova amizade? Essa pode ser a oportunidade de dar um novo lar a um dos 17 bichinhos que estão na gerência de Vigilância Ambiental de Zoonoses. “São cães e gatos dóceis, socializados e saudáveis, machos e fêmeas, sem raças definidas”, detalha o gerente e diretor substituto da Vigilância Ambiental de Zoonoses, Laurício Cruz.

A doce Kiara teve quatro filhotinhos que já foram adotados e espera sua vez de encontrar um lar | Fotos: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

Os animais foram para a Zoonoses por determinação judicial, como ocorre nos casos de pessoas acumuladoras, que submetem os animais a condições de maus-tratos, ou por vínculo epidemiológico, quando há suspeita de oferecer risco à saúde pública. Mas todos que estão disponíveis para adoção são saudáveis.

Por medida de saúde, todos os bichinhos que chegam ao local ficam em observação clínica, no mínimo, por 10 dias. “Nesse período, são realizados exames para diagnóstico de leishmaniose visceral e raiva. Tendo resultado negativo, aplicamos a antirrábica, fazemos o controle de vermes, carrapatos e pulgas e são disponibilizados para adoção”, explica o veterinário. Além disso, todos os animais adotados têm a castração garantida.

Conheça os animais

Todos os nove cachorros que estão disponíveis para adoção eram de uma senhora acumuladora. Quando ela precisou ser internada para tratamento de saúde, os cães, que viviam em condições insalubres, ficaram completamente abandonados. Por isso, num primeiro momento, podem parecer desconfiados e medrosos, mas, com carinho, amor e dedicação, têm tudo para transformar a vida de quem os levar para casa.

Todos os nove cachorros que estão disponíveis para adoção eram de uma senhora acumuladora. Ela precisou ser internada por problemas de saúde e eles ficaram abandonados

Uma das resgatadas é Musa, cachorrinha branca e caramelo de porte médio. Tímida, precisa se acostumar com a presença de humanos, já que passou muito tempo sozinha. Assim como ela, o Marrom, também de porte médio, está em busca de um tutor que se dedique a mostrar o que é carinho. Como nunca tiveram um lar digno, podem estranhar tentativas de aproximação.

Para levar um pet para casa, é necessário ser maior de 18 anos e se dirigir à Diretoria de Vigilância Ambiental, portando documento de identificação e levando coleira, no caso de adoção de cães, ou caixa de transporte, para gatos

Já no gatil, Kiara é a protagonista de uma história curiosa. A gatinha chegou em março de 2021 na Zoonoses. Fugiu, engravidou e teve os filhotinhos no capô de um dos carros da Vigilância Sanitária. Assim, foi resgatada novamente e recebeu o tratamento necessário. Agora, os quatro filhotinhos de Kiara foram adotados e ela ficou. Que tal dar uma chance para essa fêmea bicolor, tão dócil?

Franjinha, por sua vez, também foi de uma pessoa acumuladora. É um gato adulto, amarelo, peludo e um pouco inseguro. Gosta de tirar longos cochilos e, com um pouco de paciência e dedicação, logo se acostuma com o toque humano.

E, para quem prefere adotar filhotinhos, há a dupla Chicabom e Magnum. Já usam a caixinha de areia e comem ração seca.

Como adotar?

Para levar um pet para casa, é necessário ser maior de 18 anos e se dirigir à Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), portando documento de identificação e levando coleira, no caso de adoção de cães, ou caixa de transporte, para gatos. O interessado realiza a visita, escolhe o animal e, decidindo adotar, recebe orientação completa de um servidor.

O futuro tutor assina o Termo de Guarda Responsável, em que assume o compromisso de prover todo o cuidado e assistência à saúde do animal. “A pessoa precisa garantir um abrigo adequado, oferecer ração de qualidade, água filtrada, dar carinho e atenção”, enfatiza Laurício.

Por isso, quem deseja levar um pet para casa deve ficar atento a alguns detalhes:

–  Se o cachorro vai dormir ou viver no ambiente externo, é importante que ele tenha uma área onde possa se refugiar do sol, da chuva, do vento, do calor e do frio;

– O local de descanso, fora ou dentro da casa, deve ser confortável e limpo;

– Casas devem ser cercadas e protegidas para impedir a fuga do animal;

– Em apartamentos, as janelas devem ser teladas para evitar quedas, fugas e acidentes.

A Dival fica no Setor de Áreas Isoladas Norte (Sain), lote 4, Estrada do Contorno Bosque, Noroeste. O horário de visitação é das 10h às 15h, de segunda a sexta-feira.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Últimas Notícias