Fale com o Governo Ações em Destaques

17/2/22 às 17:32, Atualizado em 17/2/22 às 20:01

Ação fiscal interdita comércios barulhentos no Plano Piloto

Operação ocorreu nas asas Sul e Norte em bares reincidentes no desrespeito à Lei do Silêncio

Agência Brasília* | Edição: Rosualdo Rodrigues

O Instituto Brasília Ambiental, por meio de sua Superintendência de Fiscalização, Auditoria e Monitoramento (Sufam), realizou na quarta-feira (17), ação fiscal que resultou na interdição de dois estabelecimentos por desrespeito à Lei do Silêncio (4.092/2008).

Em 2021 foram realizadas 3.237 operações fiscais, que resultaram em 786 autos de infração e mais de R$ 11 milhões em multas aplicadas | Fotos: Ascom/Brasília Ambiental

Os fiscais aplicaram, também, multas que somaram cerca de R$ 25 mil. Um dos estabelecimentos está localizado na Asa Sul e o outro, na Asa Norte. Ambos são reincidentes e tinham sidos autuados pelo Instituto no ano passado.

“É necessário que haja adequação dos setores que fazem uso de música ao vivo e mecânica, principalmente aqueles situados perto de áreas residenciais”, afirma o superintendente da Sufam, David Ferreira

O diretor de fiscalização da área de poluição sonora do Brasília Ambiental, Douglas Pena, explica que nesses casos de descumprimento de autos de infração anteriores, a interdição, tanto parcial (com a interrupção da emissão de qualquer ruído mecânico e ao vivo), quanto total, “acaba sendo a única solução para evitar que o dano ambiental continue incomodando a população”.

Recordista

A poluição sonora tem sido a recordista de reclamações no órgão ambiental. O mês de janeiro, somado à primeira quinzena de fevereiro, já registra mais de 600 reclamações deste tema. Em 2021 foram mais de 4 mil denúncias e 3.237 operações fiscais, que resultaram em 786 autos de infração e mais de R$ 11 milhões em multas aplicadas.

O superintendente da Sufam, David Ferreira, ressalta que este ano o órgão ambiental está imbuído da missão de dar efetividade às ações fiscais com atenção total à situação grave que é o desrespeito à lei Distrital 4.092/2008.

“É necessário que haja adequação dos setores que fazem uso de música ao vivo e mecânica, principalmente aqueles situados perto de áreas residenciais”.

De acordo com a Sufam, o trabalho planejado para reverter o quadro, coibir e diminuir as situações danosas à saúde e ao bem-estar da população será desenvolvido junto com os órgãos de segurança pública do DF. As denúncias de poluição sonora devem ser feitas pelo telefone 162 ou no site da Ouvidoria do GDF.

Últimas Notícias