Fale com o Governo Ações em Destaques

20/4/22 às 17:02

‘Sorria, Brasília’ começa com oração, poesia e música

Primeiro dia do projeto, que une 17 equipamentos culturais com atividades artísticas, teve cântico à Lua, versos na Biblioteca Nacional e apresentação da orquestra sinfônica em Samambaia

Agência Brasília* | Edição: Claudio Fernandes

“É emocionante testemunhar o poder da cultura de mobilizar pessoas e transformar mentes. Esse é um delicado presente que o GDF dá à população na volta aos espaços públicos” Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

O dia 19 de abril de 2022 raiou com uma oração à Lua, entoada por Nívea Tupinambá, no chão sagrado do Memorial dos Povos Indígenas (MPI) e terminou ao som instrumental de 50 músicos da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro (OSTNCS) no Complexo Cultural Samambaia (CCS). Entre um e outro tempo, a poesia virou placa de identificação estilo superquadra na Biblioteca Nacional de Brasília (BNB).

Essa costura cultural marcou a abertura do projeto Sorria, Brasília, que, até o domingo (24), vai unir 17 equipamentos da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) numa espécie de malha artística delicadamente interligada por diversas linguagens. Tudo para comemorar os 62 anos da capital federal.

“É emocionante testemunhar o poder da cultura de mobilizar pessoas e transformar mentes. Esse é um delicado presente que o GDF dá à população na volta aos espaços públicos”, observou o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

Nívea Tupinambá pediu proteção para os povos originários do Brasil | Foto: Hugo Lira/Secec

Dia dos povos originários

O olhar de respeito e de orgulho estava estampado no rosto de Nívea Tubinambá, que se vestiu para agradecer e pedir proteção aos povos originários do Brasil. Ela ocupou a arena externa de rituais para fazer a Oração da Lua. “Estou feliz em entoar esse cântico nesse espaço de representatividade de todos os povos originários do Brasil. Aqui, no Memorial dos Povos Indígenas, estão representadas todas as etnias, as línguas e as tradições”.

Nívea fez sua prece-dança circundada por estudantes que vieram de ônibus de São Sebastião, visitantes e representantes do Governo do Distrito Federal, a exemplo do secretário Bartolomeu Rodrigues. Depois, discursou sobre a importância de o 19 de abril deixar de ser denominado Dia do Índio e passar a ser chamado Dia dos Povos Originários Brasileiros, quebrando estigmas e estereótipos trazidos pela palavra ‘índio’.

Mostra Poemas em Cartaz, no segundo andar da Biblioteca Nacional de Brasília: placas de identificação da cidade viraram suporte para os versos | Foto: Hugo Lira/Secec

Atenção, poesia à vista

As famosas placas de identificação de Brasília viraram suporte para versos na mostra Poemas em Cartaz, localizada no segundo andar da Biblioteca Nacional de Brasília. Quem andava entre elas, toda orgulhosa, era a poeta Nilva Souza. “Depois de um tempo pandêmico, a gente encontrar as nossas obras estampadas na Biblioteca Nacional é uma forma de dimensionar a importância da arte nesse momento. A arte foi quem salvou e a poesia entrou na casa das pessoas”, afirmou a artista.

Nilva conta que escolheu Brasília para criar seus filhos. A escritora goiana homenageou a cor dos ipês, barrigudas e dos jardins do paisagista Burle Marx. “Brasília é esse canteiro, florido e com o cerrado que a gente ama”, destacou.

Com dois poemas expostos da mostra, Nara Fontes emocionou-se por estar nessa exposição. “Fazer parte dessa história e em um espaço tão emblemático é uma honra. Em meus poemas, falo da importância da natureza e das árvores nas quadras de Brasília. Falo do fruto, do processo de crescimento, do tempo e da paisagem bucólica”, afirmou.

Com curadoria de Newton Lima, a seleção poética é fruto de levantamento dos trabalhos que dialogam com a capital. “Acho que a pesquisa ficou interessante e com o jeito da cidade”, afirmou o curador. Entre os selecionados, estava o premiado poeta Nicolas Behr.

O Complexo Cultural de Samambaia ficou repleto de espectadores para a apresentação da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro | Foto: Marina Gadelha/Secec

Samambaia clássica

Não teve poltrona para quem quis. O Complexo Cultural Samambaia lotou de gente para apreciar a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, uma das mais importantes do país. Enquanto os músicos afinavam os instrumentos no palco, as 256 cadeiras lotaram. O complexo recebeu um público de cerca de 370 pessoas, parte das quais foi acomodada em cadeiras avulsas ou ficou em pé.

Quem gostou foi o pipoqueiro Vinicius Viana Souza, feliz por voltar para as portas dos teatros. Ele descobriu o evento no site da Secec, que sempre acessa para mapear o que ocorre de bom na cidade. Trabalha como ambulante com a companheira, Vanessa. “Espero vender 50 saquinhos”, comemorou.

Vanúbia Ribeiro, 42 anos, moradora de Taguatinga, dirigiu 15 minutos para levar as filhas Anne, 14, e Hannah, 13, ao CCS. “Meu filho veio na semana passada e me alertou. Queria muito que minhas filhas conhecessem a orquestra, que tivessem acesso a uma apresentação musical com essa qualidade”, declarou.

Entusiasmado com a recepção, o maestro Cláudio Cohen preparou um passeio entre o clássico e o popular. Executou a Suíte de Star Wars, em que John Williams, indicado para mais de 50 estatuetas do Oscar, explora temas musicais para os personagens do filme. O clássico foi representado pela Sinfonia do Novo Mundo, de Antonín Dvořák.

“Boa noite, Samambaia! Esta é a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro, equipamento da Secec. É pública, de vocês. É muito bom estar aqui”, agradeceu o maestro.

Quem seguiu feliz foi Maria Dasdória de Freitas. Ela encabeçou a divulgação do evento junto com o Conselho Regional de Ensino e a Administração Regional de Samambaia. “Eu disse que ia lotar”, exultava a presidente do Conselho de Cultura da cidade.

Fãs de primeira fila da orquestra também compareceram. A assistente social Helen Alves acompanha a sinfônica há 20 anos. Quando viveu sua gravidez, não perdia os concertos. “Acredito que a música melhore o vínculo entre a mãe e o bebê”. Hoje, ela trabalha com mulheres gestantes sob custódia protetiva. Levou três gestantes para assistir ao concerto. “Não tenho como fazer isso quando se apresenta no Plano Piloto. Aqui, não ia perder a oportunidade”.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Últimas Notícias