Fale com o Governo Ações em Destaques

25/4/22 às 13:06, Atualizado em 25/4/22 às 13:09

Rede pública oferece suporte ao desenvolvimento de bebês

Programa oferece atendimento educacional especializado para crianças de até 3 anos e 11 meses com deficiência, sinais de superdotação, prematuras, entre outras

Agência Brasília* | Edição: Rosualdo Rodrigues

Pais de crianças de até 3 anos e 11 meses de idade que fazem parte de grupos de risco, prematuras, com deficiência, com Transtorno do Espectro Autista (TEA), com sinais de precocidade para altas habilidades ou superdotação, entre outras especificidades, têm um importante apoio na rede pública de ensino do Distrito Federal.

Cláudia e seu filho João Gabriel durante as atividades no CEE 1 de Sobradinho: “As professoras são atenciosas e já noto uma evolução no meu filho”, diz ela | Fotos: André Amendoeira/Ascom/SEEDF

Todas as 14 coordenações regionais de ensino da Secretaria de Educação possuem escolas que ofertam atividades da Educação Precoce, programa de atendimento educacional especializado voltado a essas crianças. Atualmente, 3.100 bebês e crianças são atendidos pela rede.

“Esta atuação me realiza no dia a dia como professora. É importante enxergar cada criança como um ser individual e com sua história de vida” Isis Gonçalves, pedagoga

Miguel de Jesus, 3 anos e 2 meses, começou a frequentar o programa no Centro de Ensino Especial 1 de Sobradinho em 2022. Ele nasceu prematuro e teve indicação médica devido a um atraso na fala. “Eu já percebi muita diferença no comportamento dele em pouco tempo. Ficou mais sociável e com melhor desenvolvimento. O atendimento e o ambiente são 100%”, conta Edjane Maria de Jesus, mãe de Miguel.

A pedagoga Isis Gonçalves acompanha Miguel e diz que se encontrou no trabalho com a Educação Precoce. “Esta atuação me realiza no dia a dia como professora. É importante enxergar cada criança como um ser individual e com sua história de vida. Vamos trabalhar para alcançar os marcos da infância, independentemente do diagnóstico e sempre respeitando as características individuais”, analisa a professora.

A professora Isis Gonçalves e o pequeno Miguel: relação de cumplicidade construída durante os encontros da Educação Precoce

João Gabriel Corrêa, 1 ano e 8 meses, também frequenta as atividades da Educação Precoce no Centro de Ensino Especial (CEE) 1 de Sobradinho. “Eu não sabia que a rede pública tinha esse tipo de atendimento e fiquei muito surpresa, positivamente, com a qualidade. As professoras são atenciosas e já noto uma evolução no meu filho”, revela Cláudia Bruna Corrêa, mãe de João. Ele começou no programa após os diagnósticos de TEA e Transtorno de Processamento Sensorial.

Desenvolvimento lúdico e integral

A iniciativa do programa Educação Precoce começou em 1987 com objetivo de trabalhar em prol do desenvolvimento infantil. As atividades são feitas de maneira integrada entre pedagogos, educadores físicos e equipe interdisciplinar das escolas que fazem esse atendimento.

A proposta é ampliar as potencialidades globais dos bebês e das crianças de forma lúdica, observando aspectos psicoafetivos, sociais, culturais e de socialização nesse processo. O Educação Precoce propõe atividades em espaços como salas de psicomotricidade, sala de bebês, parquinho, entre outros.

“A gente utiliza a brincadeira para proporcionar experiências. A criança recebe estímulos para que possa ter o pleno desenvolvimento dentro da sua faixa etária. Vamos atender a criança dentro da realidade dela e fazendo um trabalho em conjunto com a família”, destaca Ruth Ana Gomes, coordenadora do programa no CEE 1 de Sobradinho.

Ruth já trabalha nesse segmento há 23 anos na rede pública de ensino e, ao longo desses anos, se encanta com as possibilidades de crescimento dos pequenos.

Como se inscrever

O bebê ou a criança deve ter um encaminhamento médico para participar. Os pais ou responsáveis devem fazer a inscrição online. As matrículas ocorrem durante todo o ano mediante disponibilidade de vagas.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF

Últimas Notícias