Fale com o Governo Ações em Destaques

4/2/23 às 18:08

Parceria qualifica jovens do sistema socioeducativo na produção de mel

Atividades tiveram início nesta semana e serão desenvolvidas para 50 socioeducandos, em parceria entre as secretarias de Justiça e Cidadania, de Educação e um voluntário da comunidade de Santa Maria

Agência Brasília* I Edição: Débora Cronemberger

Jovens do Sistema Socioeducativo do Distrito Federal iniciaram uma nova atividade em grupo. Nesta semana, eles começaram a participar do projeto de Apicultura, que será realizado na Unidade de Internação de Santa Maria (UISM). As atividades serão desenvolvidas para 50 socioeducandos, por meio de parceria entre as secretarias de Justiça e Cidadania, de Educação e de um voluntário da comunidade de Santa Maria e especialista em meliponicultura, Geraldo Lira Sousa.

Aulas sobre produção de mel serão dadas no espaço da horta da unidade de internação de Santa Maria, qualificando os jovens para uma opção de geração de renda | Foto: Divulgação/Sejus

O projeto foi idealizado pela Regional de Ensino de Santa Maria e será trabalhado durante todo o ano letivo, no Núcleo de Ensino da Unidade de Internação, contemplando de forma transversal as disciplinas escolares. A proposta é que os alunos possam ter uma vivência prática a partir dos conteúdos ensinados em sala de aula.

“Esperamos que eles aprendam o passo a passo do processo, desde como montar as iscas para atrair abelhas, até a fase da extração do mel como colheita e armazenamento. O objetivo desse curso é fazer com que esses jovens entendam todo o processo de produção de mel e, quando concluírem a medida socioeducativa de internação, possam ter uma renda ou até mesmo fazer disso uma profissão”, diz a secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani.

“O objetivo desse curso é fazer com que esses jovens entendam todo o processo de produção de mel e, quando concluírem a medida socioeducativa de internação, possam ter uma renda ou até mesmo fazer disso uma profissão” Marcela Passamani, secretária de Justiça e Cidadania

A atividade não requer grandes investimentos, podendo ser desenvolvida em qualquer canto de quintal, em um espaço de um metro de altura por até três metros de comprimento em qualquer residência, rural ou urbana.

“Nas aulas práticas, os jovens vão aprender a identificar características adequadas do local de instalação e as vantagens das formas de obtenção de enxames. E, por fim, aprenderão a indicar técnicas de manejo de colônias de abelhas”, explica Demontiê Filho, subsecretário do Sistema Socioeducativo no DF.

As aulas teóricas serão ministradas no ambiente escolar, de forma transversal, nas diversas disciplinas da grade curricular. Nas atividades práticas, que acontecerão na horta da unidade, serão trabalhados temas sobre reconhecimento de diferentes tipos de abelhas e aspectos da atividade apícola no Brasil.

“A intenção da CRE Santa Maria, ao idealizar esse projeto, sempre foi de iniciar pela UISM e, em um segundo momento, expandir para algumas escolas da nossa cidade”, afirma o coordenador Regional de Ensino de Santa Maria, Claudiney Cabral. “Através da meliponicultura, que é a atividade de criação de espécies de abelhas sem ferrão, a nossa Regional de Ensino pretende incentivar a criação e preservação de colmeias dessas abelhas nativas da região, bem como conciliar o conteúdo teórico da sala de aula com a parte prática, através do manejo das abelhas”, acrescenta.

Os alunos aprenderão ainda a identificar os produtos das abelhas e suas principais características, composição e utilização, assim como a reconhecer os materiais necessários para a criação de abelhas e suas respectivas funções.

A Subsecretaria do Sistema Socioeducativo do Distrito Federal (Subsis) integra a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) e é responsável pela gestão e execução das medidas socioeducativas de prestação de serviços à comunidade (PSC), liberdade assistida (LA), semiliberdade e internação.

Aos adolescentes que se atribuam autoria de ato infracional são adotadas as medidas socioeducativas previstas no artigo 112 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que possibilita ao adolescente a reavaliação de sua conduta, preparando-o para a liberdade e reinserção na sociedade. Essas medidas podem ser aplicadas a jovens de até 21 anos, em caráter excepcional.

*Com informações da Sejus

 

Últimas Notícias