Fale com o Governo Ações em Destaques

3/10/23 às 08:51, Atualizado em 3/10/23 às 09:27

Forró é terapia! Centro de saúde oferece dança como prática integrativa

Oficinas ocorrem às quartas-feiras, no Cerpis de Planaltina, a partir das 16h, e são abertas ao público; local conta com programação variada de atividades para os moradores

‌Catarina Loiola, da Agência Brasília | Edição: Vinicius Nader

“A gente só não vem dançar todo dia porque não tem como. Faz muito bem para a nossa saúde. Não me sinto velho, me sinto jovem de novo”, diz o aposentado Gregório José Barbosa, 83 anos. Ele é um dos participantes da oficina de forró terapia, promovida pelo Centro de Referência em Práticas Integrativas em Saúde (Cerpis) de Planaltina. As aulas ocorrem todas às quartas-feiras, a partir das 16h, e são abertas ao público.

‌Assim como Gregório, outros moradores de Planaltina não perdem a oportunidade de dançar um arrasta-pé, um xote ou um baião. “Venho desde o começo e perdi poucas aulas, viu? Já dancei até dentro d’água quando teve uma chuva muito forte. Gosto demais disso, me faz muito bem”, conta a manicure Eleusa Francisco de Oliveira, 61. “Melhorou a minha disposição, me sinto com mais fôlego. Mas a melhor parte é encontrar as colegas, conversar, se divertir”.

Aos 83 anos, Gregório José Barbosa diz que, se pudesse, dançaria forró todos os dias: “Não me sinto velho, me sinto jovem de novo” | Fotos: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Segundo o técnico de enfermagem Edmundo Soares, a interação entre os idosos – público majoritário das aulas de forró – é um dos principais objetivos. “A dinâmica de dançar com um, dançar com outro, dançar sozinho, é muito importante, junto com a criação da consciência corporal”, afirma. Semanalmente, a oficina reúne de 20 a 40 pessoas.

A forró terapia começou em 2017, mas, em 2020, foi interrompida devido à pandemia do novo coronavírus. As aulas voltaram este ano, em agosto. A música que embala os casais é tocada voluntariamente por artistas locais, como os forrozeiros Edy Barbosa e Tião do Cerrado.

Bem-estar

Eleusa de Oliveira se sente mais disposta depois da aula: “Já dancei até dentro d’água quando teve uma chuva muito forte”

Vinculado à Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF), o Cerpis de Planaltina oferece programação semanal de práticas integrativas para a comunidade. O centro funciona de segunda a sexta-feira, a partir das 7h, e está localizado no Setor Tradicional Hospitalar da região administrativa. “Falamos sempre que aqui é a extensão do quintal dos moradores, que podem vir conversar, dançar, fazer uma terapia, aprender algo novo e, assim, cuidar da saúde”, afirma a gerente da unidade de saúde, Daniele Amaro.

De segunda a sexta-feira, das 7h30 às 8h30, são promovidas práticas integrativas da medicina chinesa: automassagem, lian gong – tipo de ginástica chinesa que trabalha a musculatura – e tai chi chuan. Às terças e quartas, das 8h30 às 10h, ocorrem as aulas de bordado, crochê, tricô, tinturaria e outras habilidades manuais. Às sextas, também das 8h30 às 10h, há aula de laya yoga, terapia que visa ao relaxamento profundo.

No período da tarde, outras oficinas são realizadas. Às segundas, a partir das 16h30, há encontros sobre autoconhecimento e cultura de paz. Às terças, a partir das 16h, são realizadas reuniões sobre constelação familiar, e às quartas, no mesmo horário, a atração é a forró terapia. Já na quinta, às 17h, trabalha-se a técnica de redução de estresse.

Forró é terapia! Centro de saúde oferece dança como prática integrativa

Últimas Notícias